O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE SUJEITOS TRANSGÊNEROS: TRANSGRESSÃO DA NORMA SEXO/GÊNERO/DESEJO

Diogo França Machado

Resumo


São chamados transgêneros sujeitos que transitam entre os gêneros (feminino/masculino), sujeitos que têm seus corpos transformados, moldados para adequarem ao seu bem-estar físico e emocional. Assim, esses sujeitos que transgridem a ordem comum do sexo/gênero, são discriminados pela sociedade que estranham, agridem física e verbalmente, como também se utilizam de formas de violência simbólica e psicológica, entre tantos outros contextos de segregação. Dessa forma, elaborou-se um embasamento teórico a parti de Judith Butler e Guacira Lopes Louro, onde as mesmas vêm assegurar que o corpo não pode ser apenas limitado pela sua forma, visto que, o corpo é o que representamos dele em gestos, formas, atitudes, ou seja, em suas múltiplas apresentações. Contudo, pensa-se no gênero metaforicamente como um molde para o corpo, assim, nesse viés, a diferença sexual é colocada como diferença física, não estando marcada e formada por práticas discursivas do gênero. Com tal afirmação, sujeitos transgêneros estariam fora desse padrão binário (feminino/masculino), transitando entre ambos, possuindo um sexo diferente do gênero, desestabilizando a norma sexo/gênero criada pelo modelo heteronormativo vigente. Existem limites nas significações do corpo/gênero, sendo que o corpo é dado como um meio passivo dos significados culturais, por isso, o corpo é visto como um mero instrumento de apropriação de significados que o compõem. Assim sendo, não é possível existir um corpo pré-discursivo, visto que o aparelho genital desse corpo exprime o que ele será (feminino/masculino), assim que é conhecido seu sexo. Com a observação dos estudos de Butler, compreende-se que o binarismo do gênero limita as significações que tal dicotomia proporciona ao corpo, tornando-se um processo complicado para transgêneros, tanto em aspectos psicológicos quanto na transformação dos aspectos físicos, como também nas mudanças sociais ou entre outras atribuições que uma mudança de gênero pode causar. A partir do exposto, esta pesquisa busca compreender como se apresenta o processo de transformação de um sujeito transgênero na Região Serrana de Santa Catarina, tendo como objetivo compreender esse processo de transformação em suas nuances biopsicossociais, como também analisar o padrão sexo/gênero/desejo, investigando as vivências desses sujeitos, e por fim, conhecer e interpretar o processo de metamorfose do corpo de um sujeito transgênero. Esse estudo tem caráter qualitativo, pelo qual, busca-se compreender o processo de transformação do sujeito transgênero, bem como os efeitos que a mudança corporal/psicológica acarretam na constituição enquanto sujeito, sendo proposto entrevistar três sujeitos por meio de narrativas, que, posteriormente, serão submetidas à Análise de Conteúdo. Por derradeiro, espera-se, através dos objetivos mencionados, encontrar dados que possibilitem uma maior compreensão sobre como a transformação de um sujeito transgênero acarreta em sua constituição biopsicossocial, como também, afirmar a teoria das estudiosas Judith Butler e Guacira Lopes Louro, no que diz respeito a estudos de gênero e na desconstrução de padrões heteronormativos, de tal forma, que o presente estudo também possa possibilitar uma maior visibilidade aos sujeitos transgêneros da região serrana de Santa Catarina, visto que, dos estudos observados nenhum, na região tratou de investigar quais são as consequências de tal transformação.

Palavras-chave


Transgêneros; heteronormatividade; identidade de gênero; Psicologia



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC