ESTÃGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MÚSICA: VAMOS CIRANDAR?

Vera Rejane Coelho, Aline Dallazem, Luis Augusto de Medeiros, Isabel Nercolini Ceron, Clarissa de Sá Pereira, Andrey Schonardie Silva

Resumo


A Lei n. 11.769, de 2008, determinou que todas as escolas de Educação Básica, públicas e particulares do Brasil, deveriam acrescentar, no prazo de três anos, a Educação Musical como conteúdo obrigatório em sua matriz curricular. Como não houve definição da Música como disciplina curricular, percebe-se que ainda são tímidas as atividades pedagógicas desenvolvidas por esta área de conhecimento. Nesse sentido, este trabalho tem por objetivo apresentar o processo de inserção na realidade escolar, vivenciado pelos estudantes/estagiários do 5º semestre do Curso de Licenciatura em Música da UNIPLAC, por ocasião do Estágio Curricular Obrigatório – ECO. Conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica - Resolução CNE\CP n. 01 de 2002, todos os cursos de licenciatura devem oportunizar 400 horas de ECO, iniciando a partir da segunda metade do curso, portanto, esta é a primeira etapa no Curso de Música em que os estudantes em processo de formação fazem a intervenção na realidade escolar. Esta disciplina, além da articulação entre a instituição formadora e a unidade escolar, numa relação entre os estagiários e os alunos da Educação Básica, também tem sido desenvolvida na perspectiva da superação da dicotomia teoria e prática. Esta etapa do ECO vem acontecendo, em uma turma do 1º ano das séries iniciais do EF, na E.M.E.B. Aline Schimidt (CAIC IRMà DULCE – GUARUJà ), cujo tema principal é “Cantigasâ€. Com esta temática, objetivou-se contribuir para o desenvolvimento da expressão corporal, percepção melódica, percepção rítmica, expressão artística e da oralidade das crianças de forma lúdica e prazerosa, bem como inserir o acadêmico do curso de Música no exercício da prática docente. Para o desenvolvimento deste projeto não está sendo utilizada apenas uma metodologia de ensino aprendizagem, mas sim, estará fundamentado nas concepções de Carl Orff, Zoltán Kodály, Émile Jaques-Dalcroze e na Abordagem Triangular, que propõem a música de forma dinâmica e construtora de conhecimento. As estratégias para o desenvolvimento das atividades estão embasadas na ludicidade, considerando a faixa etária dos alunos e a característica da área, visando uma proposta pedagógica significativa e contextualizada. Este trabalho está em andamento, no entanto, algumas questões já são possíveis de serem mapeadas, como a importância do desenvolvimento de ECO a partir da observação e da análise da realidade da escola (diagnóstico), o acompanhamento do processo de formação docente por meio da orientação e da supervisão do estágio da IES e da unidade escolar, o entusiasmo dos alunos da Educação Básica em relação ao aprendizado em música e o envolvimento da professora regente da turma com os estagiários e com a área da música. Espera-se ao final deste processo atingir os objetivos propostos no que tange a inserção da Educação Musical como atividade pedagógica no contexto da Educação Básica, para além do uso da música como apenas ferramenta de auxílio pedagógico das diferentes áreas.

Palavras-chave


Estágio Curricular Obrigatório; licenciatura; educação musical; Educação Básica



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC