ABCESSO CEREBRAL DEVIDO À OTITE MÉDIA AGUDA: RELATO DE CASO

Edmara Laura Campiolo, Fernando Arruda Ramos, Lina Ana Medeiros Hirsch, Vanessa Bonfanti, Samuel Antonio Freitas, Ricardo Rath de Oliveira Gargioni

Resumo


O abscesso cerebral bacteriano é uma infecção intracraniana relativamente incomum com incidência de 0.3 a 1.3/100.000 pessoas por ano, caracterizado como uma coleção focal que surge no parênquima cerebral oriundo de diversas infecções, trauma ou cirurgia, sendo a causa mais comum de complicações intracranianas de otite média aguda (OMA) e otite média crônica. A prevalência de complicação intracraniana por otite média é de 0,13% a 1.97% . O não reconhecimento desse quadro pode evoluir para hipertensão intracraniana (menos comumente) e morte. Este trabalho teve como objetivo relatar sobre um caso de OMA com seguimento não adequado que evoluiu para abscesso cerebral, influenciando diretamente na qualidade de vida do paciente. Abscesso cerebral, complicação intracraniana mais comum de OMA, e alta taxa de morbimortalidade. Relato de caso: V. A. A., 19 anos, apresentou um quadro de OMA em ouvido esquerdo inadequadamente tratada, que evoluiu com sintomas neurológicos, sendo hospitalizado para investigação, onde teve rebaixamento do sensório e sinais de hipertensão craniana. A tomografia de crânio evidenciou lesão encapsulada em região têmporo-parietal esquerda. Foi realizada craniotomia com exérese da lesão e cultura apresentando Streptococcus sp. Foi tratado com antibioticoterapia específica e evoluiu pós-hospitalização com um episódio epiléptico, sem outras alterações neurológicas evidentes, necessitando de fenitoína contínua. Pode-se concluir que a OMA é prevalente na infância e incomum na idade adulta. As complicações devem ser evidenciadas pelo clínico, tendo em vista, que o atraso na identificação de complicações contribui para pior prognóstico do paciente. A abordagem e seguimento devem ser direcionados à utilização meticulosa da terapêutica, principalmente com relação ao manejo adequado de antibioticoterapia. Os países subdesenvolvidos apresentam maior taxa de complicações por otite devido à automedicação e procura tardia por assistência médica. Esta prática pode vir a resultar em uma taxa maior de morbimortalidade por complicações, apresentando crianças e adultos jovens com sequelas importantes e aumento do número de pessoas jovens profissionalmente inativas, incapacitadas por uma doença, que poderia ter sido reversível.

Palavras-chave


Otite Média Aguda; Abscesso; otorreia de líquido cefalorraquidiano



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC