ESTRATÉGIAS DE APRENDIZAGEM SOBRE LÃQUENS NO ENSINO MÉDIO

Chayane Cristina de Souza, katiusce Marina Andrade Abreu, Lucia Ceccato de Lima

Resumo


Em uma pequena área, até mesmo em uma única árvore detectamos grande diversidade de espécies, sendo fungos, líquens, briófitas e outros seres até microscópicos. Líquens, uma simbiose (viver junto), é a associação íntima e duradoura entre organismos de espécies diferentes. Estes seres pouquíssimos estudados são de certa forma pouco aprofundados no ensino regular. Baseados nessas informações, foram elaboradas estratégias para o ensino de líquens; que têm a função de facilitar a aprendizagem de temas como este e outros. Dessa forma, também se pode incentivar os estudantes para a pesquisa científica. A metodologia aplicada é um estudo de caso. Os meios ou processos que o professor utilizará na sua aula são divididos em estratégias: do grego strategía , é arte de aplicar ou explorar os meios e condições favoráveis. Técnica: do grego technikós, relativo à arte. Refere-se à arte, maneira, jeito ou habilidade de fazer algo. Dinâmica: do grego dynamikós, diz respeito às forças, ao organismo em atividade. Mas qual é o objetivo do trabalho docente? Não se trata apenas de repassar um conteúdo, mas de um processo que envolve um conjunto de pessoas na construção dos saberes. No qual o professor deve seguir uma metodologia dialética, propondo ações que desafiem ou possibilitem o desenvolvimento das operações mentais, organizando processos de apreensão do conhecimento, que vão sendo exercitadas e construídas. Referem-se às ações mentais de comparação, observação, imaginação, obtenção, e organização dos dados, elaboração e confirmação de hipóteses, classificação, interpretação, crítica, busca de suposições, aplicação de fatos e princípios e novas situações, planejamento de projetos e pesquisas, análise, tomada de decisão e construção de resumos. Existe a preocupação com que o aluno atue de forma significativa, responsável e com crescente autonomia, na busca da construção do conhecimento: supera-se o “assistir†pelo “fazer†aulas. Possibilitando a volta à pratica social já reelaborada uma vez que o aluno construiu, no pensamento e pelo pensamento, a evolução do objeto de estudo pretendido. Sabe-se, que aprendizagem é um ato social, necessitando da mediação do outro como facilitador do processo. Citam-se a seguir, algumas das estratégias pré-definidas para o trabalho com líquens. Aula expositiva-dialogada, portifólio (acompanhamento da construção do conhecimento, alto grau de organização e de acompanhamento por escrito), estudo dirigido (estudos específicos do conteúdo sendo na forma individual ou coletiva, estudar sob orientação de um professor); seminário (apresentação de suas sínteses de forma oral ou escrita), estudo de caso (envolve solução de um caso proposto), simpósio (apresentação para múltiplos olhares com efeito mobilizador e multiplicador), painel (apresentação por uma só pessoa), oficina ou laboratório (materialização das aula teóricas), saída à campo (função de propor a observação e comparação do ensino teórico ao prático).

Palavras-chave


Líquens; estratégias; aprendizagem; ensino médio



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC