Revisão Bibliográfica: Carcinoma Inflamatório de Mama

Kaike Ryoju Bastos Misuno

Resumo


O carcinoma inflamatório de mama (CIM) corresponde a cerca de 1-4% dos carcinomas invasivos da mama, sendo que possui alta agressividade ao compará-lo com outros carcinomas locais, além de ser a forma mais fatal destes, apresentando metástases em até 35% das pacientes. Diante disso, objetivou-se elaborar uma revisão bibliográfica acerca do CIM descrita de acordo com três artigos científicos encontrados nas bases de dados PubMed e Google Acadêmico utilizando o descritor CIM e em dois livros. O CIM é causado pela embolização maciça dos vasos linfáticos com células tumorais. Clinicamente, manifesta-se com eritema e edema, dando a aparência de “casca de laranja na mama”, de aparecimento bastante rápido e - ocasionalmente - associado à retração mamilar e ondulações na mama. Tais apresentações clínicas são parte essencial do diagnóstico, visto que na mamografia raramente se encontra alguma massa sólida sugestiva de carcinoma, sendo comum o espessamento da pele e o aumento da densidade mamária. Logo, a confirmação histopatológica é essencial para a confirmação, além de nortear o tratamento. O tratamento padrão é a mastectomia independente da resposta aos tratamentos sistêmicos, além de quimioterapia (QT) e radioterapia adjuvante. A QT neoadjuvante é usada quando há algum nódulo à fim de obter margens cirúrgicas livres. A hormonioterapia com trastuzumab é indicada nas pacientes com imuno-histoquímica positiva para HER-2. Devido a apresentação clínica da doença simular um processo infeccioso, inicialmente acaba sendo tratada com antibióticos. Dessa forma, atrasa-se o diagnóstico, assim contribuindo com o péssimo prognóstico da doença, uma vez que apenas cerca de 5% das pacientes sob tratamento alcançam 5 anos de sobrevida, já que é altamente influenciado pelo estadiamento tumoral e pela imuno-histoquímica. Conclui-se que a caracterização inicial do CIM é extremamente importante, visto que a sua apresentação é bastante similar com um processo infeccioso ou traumático. Além disso, devido ao pobre prognóstico, destaca-se a necessidade de mais estudos acerca dessa importante patologia que aflige agressivamente as mulheres.

Palavras-chave


Carcinoma; Neoplasias da Mama; Prognóstico; Câncer de Mama



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC