CUIDADOS PÓS OPERATÓRIOS DA GASTROPLASTIA

Amanda Cristina Schmitt

Resumo


A obesidade é hoje um dos mais graves problemas de saúde pública, sendo levada à condição de epidemia global. Em decorrência disto, a gastroplastia, também denominada de cirurgia bariátrica, tem sido cada vez mais indicada no tratamento de obesos mórbidos, o que requer cuidados paliativos após tal procedimento cirúrgico. O objetivo deste estudo é aludir os principais cuidados pós-operatórios em pacientes submetidos à cirurgia bariátrica e sua importância para uma ideal recuperação, bem como ressaltar as particularidades da conduta médica no pós-operatório destes pacientes. Foi realizado um estudo a partir de literaturas referentes à gastroplastia, usando-se cinco artigos de periódicos da base eletrônica da Scielo, dos últimos oito anos. A definição do tema deu-se após acompanhamento na Unidade Educacional Eletivo do curso de medicina em clínica cirúrgica. A obesidade mórbida adquiriu aspecto epidêmico nos últimos anos com o drástico aumento de sua prevalência no Brasil. Em função disto, a indicação para realização de cirurgia bariátrica tornou-se uma opção bastante eficaz no tratamento deste problema, sendo capaz de resolver boa parte das comorbidades causadas pela obesidade. Para tal, é necessário que haja um conhecimento sobre as particularidades fisiopatológicas de pacientes obesos para um melhor manuseio pós-operatório. O paciente obeso, geralmente apresenta problemas respiratórios devido ao maior volume de sangue pulmonar, maior espessura da parede torácica e posição anormal do diafragma, acarretando em um aumento na produção de CO2 e resistência nas vias aéreas. Em função disto, a restrição pulmonar do pós-operatório persiste por até 2 semanas aumentando o número de complicações pulmonares. Recomenda-se então a fisioterapia pulmonar, que traz resultados benéficos para a resolução destas complicações como a restauração da capacidade residual, aumento da oxigenação e melhora do potencial muscular. A obesidade também é fator de risco para doenças cardiovasculares. Faz-se então necessário o monitoramento da pressão arterial tanto no pré, quanto no pós-operatório. Além disso, é de vital importância a orientação nutricional para o paciente submetido à gastroplastia. As necessidades nutricionais variam dependendo do grau de restrição e má absorção causada pela cirurgia. Deficiências de ferro, vitamina B12, folato e cálcio são bastante comuns. Para tal recomenda-se suplementação destes nutrientes. É importante salientar ao paciente que inicie a alimentação após a operação apenas com líquidos, progredindo após 2 semanas com alimentos pastosos e após 1 mês, dieta leve. Deve-se recomendar a ingesta em menores quantidades, porém com maior frequência, salientando a importância de uma alta ingesta de água. Com o crescente aumento do número de pacientes obesos no Brasil, a cirurgia bariátrica tornou-se um importante passo no tratamento da obesidade. Os cuidados pós cirúrgicos deste procedimento são essenciais para garantir ao paciente um melhor resultado da operação e melhores condições de vida. Para tal, faz-se necessário o conhecimento das particularidades que acometem o paciente obeso e sua melhor administração no manuseio pós-operatório.

Palavras-chave


Gastroplatia; Cirurgia Bariátrica; Redução de Estômago



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC