Estágio em Saúde Coletiva e a experiência do Levantamento Epidemiológico em Saúde Bucal

Michele Ricardo Cantareli da Silva, Jamille Lopes de Liz Coelho, Mirian Kuhnen, Isabela Ramos

Resumo


No Curso de Odontologia da Universidade do Planalto Catarinense, o estágio em Saúde Coletiva da 6ª fase, coloca o aluno em contato com as diversas realidades sociais, contribuindo na formação de um profissional generalista tecnicamente e com sensibilidade social, capaz de prestar atenção integral mais humanizada, trabalhar em equipe e compreender melhor a realidade em que vive a população. Outra contribuição do estágio é a aquisição de consciência social e de ampliação das suas possibilidades de atuação nos diversos locais de aprendizagem clínica e medidas coletivas, e incluindo serviços odontológicos do setor público e ambientes comunitários.

A promoção da saúde sugere que a ausência da doença não seja o suficiente para que uma pessoa seja considerada saudável, essa ideia consiste no fato de que saúde e doença são determinadas pelos fatores sociais, psicológicos e econômicos de cada indivíduo (MENDES, 1996). Diante deste princípio, as ações de promoção de saúde bucal foram planejadas considerando ações educativo-preventivas como escovação supervisionada e motivação, complementadas com a realização de levantamento epidemiológico da cárie dentária e a realização do tratamento restaurados atraumático. Levantamentos epidemiógicos são usados para a coleta de informações sobre o estado de saúde bucal e as necessidades de tratamento de uma população, e posteriormente, para monitorar as mudanças nos níveis e padrões da doença. Desta maneira, é possível avaliar a conveniência e a eficácia dos serviços que estão sendo fornecidos, e planejar ou modificar os serviços de saúde bucal e programas de treinamento quando necessário. Os levantamentos básicos de saúde bucal não são destinados para a coleta de informações sobre os fatores etiológicos que afetam a distribuição ou a severidade das doenças, ou sobre a eficácia clínica de diferentes procedimentos preventivos ou curativos. No entanto, as informações obtidas dos levantamentos básicos podem ser usadas para monitorar alguns aspectos da eficácia dos serviços odontológicos. Produzir informações sobre as condições de saúde bucal da população brasileira e subsidiar o planejamento-avaliação de ações nessa área nos diferentes níveis de gestão do Sistema Único de Saúde é um dos objetivos do levantamento epidemiológico. Método: Este relato de estágio aconteceu numa escola municipal de educação básica com a participação de 37 escolares que receberam orientação de higiene bucal, escovação supervisionada, exame clínico e Tratamento Restaurador Atraumático (ART). Para o exame clínico foi organizada uma sala, com mesas, cadeiras, almofadas e materiais clínicos necessários para o procedimento. Resultados: a média de dentes permanentes cariados, perdidos e obturados (índice CPO-D) aos 10 anos foi de 0,64 e aos 11/12 anos foi de 0,5. Para a dentição decídua encontrou-se uma média de dentes cariados, com extração indicada e obturados (índice ceo-d) aos 10 anos de 2,76 e 11/12 anos de 4,10. Segundo critérios da Organização Mundial da Saúde para a dentição permanente o índice encontrado está baixo, no entanto, para a dentição decídua os valores são altos e requer políticas públicas para a prevenção e recuperação da saúde bucal dos escolares.

Palavras-chave


Levantamento epidemiológico, índice CPO-D, tratamento restaurados atraumático



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC