A Atuação do Fisioterapeuta no Câncer Infantil Direcionado a Leucemia Linfoide Aguda

Alexander Cardoso Meurer

Resumo


Introdução: A Leucemia Infantil está dividida em dois grandes grupos: mieloide e linfoide. As que acometem as células linfóides são denominadas de leucemia linfóide, linfocítica ou linfoblástica, e as que lesam as células mieloides são nominadas leucemia mieloide ou mieloblástica, podendo ser aguda, no momento onde ocorre o crescimento acelerado de células jovens, ou crônicas, reconhecidas por causa do crescimento das células maduras e incomuns. O recurso terapêutico da Leucemia Linfoide Aguda (LLA), se dá com a associação de diversos fármacos. Hoje a medicação para a LLA está suficientemente desenvolvida possibilitando uma grande melhoria dos sintomas. São utilizados a quimioterapia, radioterapia, imunoterapia e transplante de medula óssea (TMO), equivalendo assim uma favorável possibilidade clínica para o tratamento das leucemias com risco elevado. A Fisioterapia vai intervir de forma preventiva, procurando abster problemas maiores com uma ampla diversidade de técnicas como eletroterapia, cinesioterapia, as atividades lúdicas, que vão restabelecer e proporcionar uma condição melhor de vida para estas crianças. Objetivo: O objetivo desta pesquisa é mostrar a importância do fisioterapeuta no tratamento de crianças com LLA, salientando de que forma pode-se atuar e contribuir para uma melhora significativa dessa doença. Metodologia: A presente pesquisa é de caráter de revisão de literatura entre os meses de julho a setembro de 2017. Os dados adquiridos foram elaborados por meio de pesquisas em bibliotecas virtuais, utilizando os descritores: “câncer”, “câncer infantil”, “leucemia”, “leucemia linfoide aguda”, “fisioterapia” e “atuação do fisioterapeuta no câncer infantil”. Resultados e discussão: Antigamente era recomendado o repouso absoluto para pacientes de LLA. Hoje em dia, acredita-se ser necessário o envolvimento ativo de uma equipe multidisciplinar, dentre os membros dessa equipe está o fisioterapeuta, o qual trabalha os aspectos funcionais do indivíduo, com o objetivo de reabilitar os movimentos e prevenir as disfunções ocasionadas pela doença e o tratamento. O trabalho do fisioterapeuta consiste, em primeiro lugar, fazer uma avaliação, planejamento e execução do programa. Deve-se sempre levar em consideração que se está trabalhando com crianças, logo, os trabalhos a serem realizados devem apresentar atividades lúdicas que amenizam o sofrimento causado pela doença vinculada ao tratamento criando um ambiente mais humanizado. Conclusão: Pode-se concluir que o trabalho do fisioterapeuta é de fundamental importância pois, subentende-se que seu papel vai muito além de uma simples reabilitação, o fisioterapeuta vai analisar cada criança buscando tratar tais disfunções que o paciente adquiriu com essa neoplasia, traçando então um plano de tratamento que vise sua qualidade de vida de forma integra.

Palavras-chave


Câncer Infantil; Leucemia Linfoide Aguda; Fisioterapia Oncológica Pediátrica; Atuação do Fisioterapeuta no Câncer Infantil.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC