PROBLEMATIZAÇÃO DO USO DO PROTOCOLO ESTADUAL DE ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO PELOS ENFERMEIROS DE UM PRONTO ATENDIMENTO DA SERRA CATARINENSE.

SONIMARY ARRUDA, LUANA OLIVEIRA DE LIZ, THAYZA DE SOUZA

Resumo


O acolhimento com classificação de risco (ACR) vai ao encontro dos anseios do sistema único de saúde, pois quando o mesmo foi idealizado na constituição nacional de 1988, tinha como objetivo, aprimorar o atendimento aos usuários, através dos princípios de integralidade, equidade e universalidade. O ACR visa organizar o acesso do usuário por meio da identificação do risco de saúde e da vulnerabilidade de cada usuário, e não por ordem de chegada. Trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado. A partir de um projeto de extensão desenvolvido em 2016 em um Pronto Atendimento da Serra Catarinense no 7º e 8º semestre do curso de Enfermagem como atividade da disciplina de projetos de cuidado integral, identificamos que os enfermeiros realizam a triagem classificatória de risco dos pacientes com base no protocolo estadual que ainda está em fase de consolidação e com base nesta realidade aliada a nossa experiência prévia e interesse pelo assunto, optamos pelo desenvolvimento de uma pesquisa com foco na atuação dos enfermeiros que realizam a triagem classificatória nessa instituição. O presente projeto esta em fase de desenvolvimento e tem parecer favorável do CEP para sua execução conforme parecer nº 1.538.158. Participam da pesquisa 10 enfermeiros do pronto atendimento de um município da Serra Catarinense. O objetivo geral é problematizar com os enfermeiros do pronto atendimento de um município da serra catarinense, sobre a operacionalização do protocolo de acolhimento com classificação de risco. Os objetivos específicos são: identificar potencialidades e fragilidades na operacionalização do protocolo; discutir com os enfermeiros as potencialidades e fragilidades do protocolo; construir e implementar um plano de ação com os enfermeiros visando consolidação do protocolo. O presente estudo caracteriza-se por uma pesquisa qualitativa tipo exploratório. O local do desenvolvimento é um pronto atendimento municipal da serra catarinense, os participantes são os enfermeiros que atuam nos três turnos de trabalho, lotados no pronto atendimento. Os dados foram coletados através de entrevista semi-estruturada de 01/09/17 a 15/09/17 o método de análise será através da análise de conteúdo. As etapas já desenvolvidas foram: 1) onde entramos em contato com a secretaria da saúde para apresentação da proposta; 2) entramos em contato com a enfermeira, responsável técnica pelo pronto atendimento, onde formalizamos o pedido de autorização para a realização do trabalho na instituição; 3) apresentamos o TCLE para os participantes da pesquisa; 4) realizamos a entrevista semi-estruturada 5) fizemos uma roda de conversa com os enfermeiros para discutirmos as fragilidades e potencialidades do protocolo de acolhimento com classificação de risco. A partir da problematização da roda de conversa as pesquisadoras juntamente com os participantes da pesquisa elaborarão um plano de Ação, este plano visa à proposição de uma intervenção que contribua para consolidar o protocolo Nossa expectativa é que possamos problematizar junto a eles a respeito da classificação de risco executada atualmente no pronto atendimento, e que esta problematização desencadeie ações que possam contribuir com a consolidação desse protocolo no pronto atendimento do município.

Palavras-chave


Enfermeiros; Protocolo; Acolhimento com Classificação de Risco



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC