CATARATA: UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE CEGUEIRA NO MUNDO INTEIRO

Diovana Ferraz de Oliveira

Resumo


A Unidade Educacional Eletivo, referente ao 6º ano do curso de Medicina, teve suas atividades desenvolvidas no Hospital Universitário Evangélico de Curitiba -PR, com ênfase na área da oftalmologia. Cumpriu-se 260 horas de prática em campo e o aprendizado adquirido complementou-se com horário pró-estudo. Um dos focos do estudo durante essa prática foi a catarata, motivado pela alta e crescente prevalência da patologia, sendo, segundo dados recentes, responsável por quase metade dos casos de cegueira no mundo. O objetivo deste estudo é apresentar uma breve revisão bibliográfica abordando as diferentes classificações, etiologia e fatores de risco, sinais e sintomas e por fim as opções terapêuticas para catarata, comparando com a realidade vivenciada no Eletivo. A mostra foi composta de três artigos publicados em bases de dados eletrônicos nos últimos três anos. Os dados disponíveis na literatura ilustram que a catarata é um importante problema de saúde pública. As estatísticas vem para reforçar esta afirmação e mostram que há 45 milhões de cegos em todo o mundo, sendo que este número aumenta cerca de 1 a 2 milhões todo ano. A previsão é de 76 milhões de cegos no mundo inteiro daqui 3 anos. A cegueira, no entanto, é o patamar mais avançado da patologia. A catarata engloba vários níveis de classificação sendo elas: quanto a origem (congênita ou adquirida), o local de acometimento (nuclear, cortical e subcapsular) e o grau de opacidade (incipiente, madura ou hipermadura). A catarata senil tem inúmeras teorias para sua etiologia, mas os estudos são concordantes em afirmar sua relação com a idade além de nomear fatores de risco importantes. O grande entrave que se encontra ao estudar a fundo a patologia da catarata é o número gigantesco de pacientes que não buscam por atendimento oftalmológico devido à baixa de visão. Isso deve-se ao fato de que, normalmente, a doença evolui lentamente e o paciente passa a adaptar-se com a dificuldade visual, sendo o defeito, na maioria das vezes, percebido em consultas regulares ao oftalmologista. A boa notícia, porém, é que o diagnóstico tardio da doença não implica em seu prognóstico, sendo que o desejo de tratamento se relaciona especificamente a melhora da qualidade de vida para o paciente. O tratamento da afecção é cirúrgico sendo a facectomia o nome da cirurgia de correção da catarata. O procedimento pode ser realizado por duas técnicas existentes até o momento: facoemulsificação e a extração extracapsular programada. Ambas as técnicas contam com indicações precisas, mas no geral, a técnica de facoemulsificação vem ganhando mais espaço no mercado.

Palavras-chave


Oftalmologia; Cegueira; Catarata



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC