Avaliação físico-química de polpa e casca de abóbora cabotian (Cucurbita máxima x Cucurbita moschata)

William Gustavo Sganzerla, Patrícia Carolina Beling, Wilham Stramosk, Ana Paula de Lima Veeck, Marcel Piovezan

Resumo


O consumo de alimentos saudáveis, aliado ao aproveitamento integral de alimentos, vem ganhando espaço no cotidiano de muitas famílias brasileiras. Estudos demonstram que talos, folhas e cascas podem ser mais nutritivos do que a parte nobre do alimento (polpa). A abóbora ou moranga japonesa conhecida como cabotian é resultado do cruzamento entre linhagens selecionadas de moranga (Cucurbita maxima) e linhagens de abóbora (Cucurbita moschata). Diante disso, o objetivo deste trabalho foi realizar a avaliação físico-química (cálcio, cloretos e vitamina C) de polpa e casca de abóbora cabotian, visando conhecer as características tanto da polpa quanto da casca desse alimento. As amostras foram adquiridas no comércio do município de Lages, SC. Em seguida a polpa da abóbora foi separada da casca manualmente, sendo trituradas (in natura) em multiprocessador doméstico e armazenadas em freezer industrial (-18 ± 2ºC) até o momento das análises. Todas as análises foram realizadas em triplicatas e de acordo com as metodologias proposta pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL, 2008). Após a realização das análises, os resultados foram submetidos a análise de variância, e a diferença entre as médias foram calculadas através do teste de Tukey (p<0,05), através do programa Statistica® 7.0. Os resultados demonstraram que a casca apresenta maior teor de cálcio (30,00±0,00 mg%) comparado com a polpa (20,00±0,00 mg%), apresentando diferença significativa entre si (p<0,05). Em relação ao teor de cloretos, não foi observado diferença significativa (p>0,05) entre as amostras analisadas, sendo que a polpa apresentou 0,30±0,01 mg% e a casca 0,20±0,00 mg%. O teor de vitamina C apresentou diferença estatística entre as amostras (p<0,05). A polpa obteve um teor de 23,08±1,32 mg de ácido ascórbico/100g e a casca 11,35±1,86 mg de ácido ascórbico/100g. Diante dos resultados, pode-se concluir que a polpa apresentou maior de teor de vitamina C, e a casca um maior teor de cálcio. Estudos sobre a avaliação físico-química de todas as partes dos alimentos é importante para verificar a presença de macronutrientes e micronutrientes, sendo determinante para a inserção das partes nutritivas e não convencionais na alimentação.

REFERÊNCIA

INSTITUTO ADOLFO LUTZ (IAL). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 1020p. Versão eletrônica. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz, 2008.

Palavras-chave


abóbora cabotian; cálcio; cloretos; vitamina C



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC