ANÁLISE QUALITATIVA DAS FRUTAS DE CULTIVARES DE MORANGUEIRO NO PLANALTO SUL CATARINENSE

Brayan Favarin de Oliveira, Henrique Stockhausen, Lediane Bisol, Robson Martins, katiana Vanusa Tillwitz dos Santos, Adrik Francis Richter, Antonio Felippe Fagherazzi, Leo Rufato

Resumo


O morango é dentre as espécies que compõem o grupo das pequenas frutas, a fruta mais consumida no Brasil. Suas formas de consumo variam desde o consumo in natura, ao processamento das frutas para elaboração de doces, geleias, sucos e iogurtes. Todavia, a forma de consumo in natura é predominante, e esta exige um elevado teor de qualidade das frutas. Os principais componentes de qualidade das frutas são o sabor, doçura, firmeza de polpa e coloração vermelha, os quais também fazem parte dos principais critérios de escolha dos consumidores ao comprarem os morangos. Diante do exposto o presente estudo teve como objetivo avaliar as principais características qualitativas das frutas de cultivares de morangueiro na Planalto Sul Catarinense. O experimento foi realizado no CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS (CAV) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) durante o ciclo 2015/2016, no município de Lages, SC. O delineamento experimental utilizado foi de blocos casualizados com quatro repetições, e unidade experimental de 10 frutas úteis. Os tratamentos foram constituídos pelas frutas das diferentes cultivares de morangueiro que foram avaliadas: Albion, Camarosa, Oso Grande, Pircinque e San Andreas. As análises das frutas foram realizadas no laboratório do Núcleo de Tecnologia dos Alimentos II do CAV. Após as colheitas as frutas eram conduzidas para o laboratório, onde eram submetidas as seguintes análises físico-químicas: teor de sólidos solúveis/SS (expressa em º brix), acidez titulável (% ácido cítrico), relação entre SS/AT, o qual determina o sabor das frutas; firmeza de polpa (g fruta-1) e tonalidade de cor do ângulo hue (h°). Os dados obtidos foram submetidos pela análise de variância, e quando significativo as médias foram comparadas pelo teste de Scott Knott a 5% de probabilidade de erro. Para a variável do teor de SS se observou na cultivar Pircinque as frutas mais doces (8,7 ° brix), sendo 25 % superior em relação a Oso Grande, a cultivar com o menor valor. Para as cultivares Albion, San Andreas e Camarosa não foi verificada diferença entre os teores de sólidos solúveis. Para ‘San Andreas’ (0,67 %) foi constatado as frutas com maior percentual de ácido cítrico, diferindo das demais cultivares. As cultivares com as frutas menos ácidas foram Pircinque, Albion e Oso Grande. Atrelado entre a relação de SS/AT foi possível determinar que ‘pircinque’ possui as frutas com o melhor índice (17,4) e mais saborosas. Para firmeza de polpa a cultivar Pircinque (435 g) diferiu das demais cultivares. As frutas menos firmes foram verificadas nas cultivares Camarosa (344 g) e Oso Grande (341 g). Para a tonalidade de cor do ângulo hue, foi verificado na cultivar Albion (18,2) o menor valor, o qual determina que estas frutas estão mais próximas à tonalidade da cor vermelha. As frutas com maior angulação hue foram constatadas em ‘San Andreas’ (37,8), nas quais é determinada uma coloração vermelha alaranjada. Conclui-se que a cultivar Pircinque é a que possui as melhores características qualitativas das frutas, seguido da cultivar Albion, San Andreas, Camarosa e Oso Grande.

Palavras-chave


Fragaria x ananassa Duch.; pseudofrutas; qualidade; físico-química.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC