SÍNDROME DE TRANSFUSÃO FETO - FETAL

Gabriela de Moraes

Resumo


A Síndrome de transfusão feto-fetal (STFF) é uma complicação de gestações gemelares monocoriônicas diamnióticas. Este tipo de gestação acontece na clivagem do zigoto, entre o quinto e o sétimo dia de gestação. É uma condição onde os gêmeos genotipicamente semelhantes podem tornar-se fenotipicamente diferentes. O gêmeo que chamamos de “doador” é anêmico, com restrição de crescimento intrauterino e o gêmeo “receptor” é policitêmico, podendo ter hipervolemia e hidropsia. Esta síndrome é resultado de uma transfusão sanguínea desigual, devido a anastomoses vasculares placentárias desequilibradas. O objetivo deste trabalho é identificar a importância do diagnóstico dessa síndrome e suas complicações, bem como os possíveis tratamentos. Realizou-se revisão bibliográfica em um livro de obstetrícia, duas dissertações de Mestrado e artigos científicos encontrados nas bases de dados ScieLo e LILACS para a obtenção de informações sobre a síndrome, seu diagnóstico e tratamento. O diagnóstico é complexo, feito através da ultrassonografia, baseada no volume de líquido amniótico nos dois sacos amnióticos, onde normalmente se caracteriza a discordância do volume entre eles, tendo oligodrâmnio em um dos sacos e polidrâmnio no outro. Também estão presentes achados como restrição do feto doador, ausência da visualização da bexiga do mesmo, anomalias nos estudos Doppler, hidropsia fetal e distensão vesical do feto receptor. É sugerido que as gestações gemelares monocoriônicas sejam acompanhadas por ultrassonografia desde a décima sexta semana, quinzenalmente, para o diagnóstico precoce de STFF ou outras complicações. As opções de tratamento incluem amniorredução, septostomia, oclusão do cordão umbilical e fetoscopia com fotocoagulação (ablação) a laser das anastomoses vasculares. Dentre elas, a ablação a laser é o tratamento mais indicado. Apesar da maior praticidade da realização, a amniorredução, não é um tratamento curativo e por isso pouco indicado. No entanto é importante ressaltar que apenas grandes centros especializados possuem a oportunidade de realizar tais procedimentos, visto a necessidade de profissionais qualificados e equipamentos disponíveis. Levando-se em consideração esses aspectos, pode-se observar a importância da realização adequada do pré-natal, bem como o diagnóstico ultrassonográfico precoce e correto do tipo de gestação gemelar, para que sejam identificadas possíveis complicações de modo que se propicie um bom prognóstico para ambos os fetos.

Palavras-chave


Síndrome de transfusão feto-fetal; gestação gemelar; monocoriônicidade



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC