EDUCAÇÃO FISCAL: PEQUENAS CORRUPÇÕES

evelyn diconcili caetano

Resumo


Este trabalho possui como objetivo apresentar um relato de experiência de um projeto de extensão, desenvolvido durante seis meses, numa escola municipal de Lages no ano de 2015, com as turmas de 3º ano e 4º ano dos Anos Iniciais. O projeto foi realizado por meio de pesquisas, desafios, leituras e reflexões. Os conteúdos trabalhados foram: Situações-problema envolvendo as quatro operações e números decimais; Produção textual e interpretação de texto; Gêneros textuais; Oralidade, leitura e escrita; Gráficos e tabelas; Dramatização; Observação de mapa mundi e do Brasil; Moedas de alguns países; Gramática: tempos verbais, adjetivo, artigos, separação de sílabas e rimas. A avaliação aconteceu de forma contínua, verificando a reflexão, criticidade, criatividade e envolvimento no processo da mediação. Iniciamos o projeto observando e lendo exemplos de pequenas corrupções e o que é cidadania com charges e textos instrucionais. No decorrer de nossas aulas, brincávamos de supermercado2 com embalagens vazias e gravuras, dando preço às mercadorias e resolvendo situações-problema. Então, atribuímos um valor de imposto, criado pelas próprias crianças, às mercadorias. Utilizávamos o dinheirinho de brinquedo e o caixa do supermercado deveria sempre oferecer a nota fiscal. No trabalho com a nota fiscal aprenderam onde estava discriminado o valor dos tributos a pagar e calcularam o valor do total sem os impostos. Indubitavelmente, as crianças já haviam atingido um grau de consciência e criticidade, pois a cada dia registravam verbalmente as pequenas corrupções que assistiam no seu cotidiano da escola e familiar. Então fizemos um quadro de denúncias de bons e maus exemplos. Em outro momento, as crianças foram desafiadas a criar uma propaganda atrelada às pequenas corrupções que alguns personagens de desenhos animados ou histórias infantis realizavam em suas aventuras, mas passíveis de questionamento, talvez pela sua graciosidade ou inteligência. Em tais propagandas os personagens mais citados foram: o Pinóquio, a Emília, a madrasta da Branca de Neve, o Gato de Botas e os três Porquinhos. Como devolutiva do projeto o 3º ano criou uma história de amor, no qual eles mesmos eram os personagens. Tratava-se da história de uma menina que se apaixonava sempre por meninos que praticavam pequenas corrupções, rejeitando-os em função disto, e o 4º ano elaborou um jornal televisivo. O projeto proporcionou o conhecimento acerca da importância no combate à sonegação fiscal e pequenas corrupções. Deste modo, conscientizando ao zelo e a conservação do patrimônio público, pode proporcionar aos estudantes a responsabilidade pela fiscalização destes cuidados no âmbito escolar e em sua vida. Bem como a reflexão sobre o “levar vantagem em tudo”, que arraigou a pequena corrupção em nossa cultura, fazendo com que todos reivindiquem seus direitos, mas que, nos pequenos atos passam por cima de seus deveres como cidadãos.


2 O nome escolhido pelas crianças do 3º ano foi “supermercado 30 crianças” e do 4º ano 2 foi “supermercado Nicanor” (em referência ao nome da Escola e do esqueleto que tínhamos na sala).

Palavras-chave


Educação Fiscal; Anos Iniciais; Pequenas corrupções.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC