A PERCEPÇÃO DOS GESTORES E TRABALHADORES SOBRE A ATUAÇÃO DOS COORDENADORES DOS PROGRAMAS E SERVIÇOS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL.

Juliana Gargioni

Resumo


O estudo aborda a necessidade de se pensar no processo de gestão no que diz respeito a escolha de gestores da Secretaria Municipal de Assistência Social. Com vistas a reconhecer os espaços e o meio de possibilidades através de uma perspectiva de gestão, os profissionais começam a construir novas formas de atuação, sendo este fruto das transformações das políticas sociais e nesse movimento os profissionais estão cada vez mais assumindo o cargo de gestão execução e controle da implementação do SUAS. O estudo tem por objetivo identificar a percepção dos gestores e trabalhadores sobre a atuação dos coordenadores dos programas e serviços da Secretaria Municipal de Assistência Social de Lages SC. Para tanto, busca-se verificar o perfil dos coordenadores dos programas e serviços da Secretaria Municipal de Assistência Social; conhecer os critérios para a escolha dos coordenadores dos programas e dos serviços da Secretaria Municipal de Assistência Social e verificar se profissionais que atuam em coordenações encontram respaldo na formação profissional para dar conta dos dilemas vividos nos equipamentos da Secretaria Municipal Assistência Social. A pesquisa será qualitativa, de campo, exploratória bibliográfica e por análise de conteúdo, na perspectiva dialética. O público-alvo serão os trabalhadores do SUAS, profissionais efetivos e que tenham no mínimo 3 anos de trabalho, através de uma entrevista semiestruturada. Farão parte da pesquisa os diretores dos três níveis de complexidade Proteção Social Básica, Média e Alta e Secretário de Assistência Social. Sendo que a Secretaria de Assistência Social é composta por 8 Centro de Referência de Assistência Social, 4 Centro Especializado de Referência de Assistência Social, 2 Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes, e um Acolhimento Pop. Desta forma temos o Cras I, Cras II, Cras III e Cras VIII com 10 funcionários em cada equipamento. No Cras IV, temos 8 funcionários; no Cras V e VI contamos com 9 funcionários para cada equipamento; e no Cras VII temos 11 funcionários, totalizando 77 profissionais. Dos referidos equipamentos serão escolhidos por amostragem aleatória 50% dos CRAS, 50% dos CREAS e 50% da Alta Complexidade. Destacando que em cada equipamento serão entrevistados 03 profissionais, um profissional com ensino superior, um com ensino médio e um com ensino fundamental, totalizando 21 trabalhadores. Quanto aos procedimentos éticos estes estarão em conformidade com a resolução 466/12 e apresentação do TCLE. Espera-se com esta pesquisa incentivar a reflexão das condições de trabalho e as respostas profissionais as questões sociais e suas implicações na realidade podendo contribuir para a produção literária e estudos voltados para a gestão de equipes de Serviço Social além de apresentar para a gestão a partir desta pesquisa, critérios que fundamentem a definição dos cargos para coordenação.

Palavras-chave


Política Nacional de Assistência Social; Gestão; Formação Profissional.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC