Nem lá, nem cá: O Sentimento de Não Pertença de Afrodescendentes e Indianos de Pele Escura Presente em O País Sem Chapéu de Dany Laferrière e Aguapés de Jhumpa Lahri.

Kátia Marlowa Bianchi Bianchi Ferreira Pessoa

Resumo


Este trabalho tem por objetivo destacar o sentimento de não pertença presente nas narrativas O País sem chapéu de Dany Laferrière e Aguapés de Jhumpa Lahri. Apesar dessas se desenrolarem em países, culturas e línguas diferentes possuem em comum a condição de ex- colonizados marcada principalmente, pelos sentimentos dos personagens Vieux Os de O País sem Chapéu e Subhash de Aguapés de não pertencer a lugar nenhum. Ou seja, estrangeiros no país dos outros (Canadá, Estados Unidos) e no seu de origem e criação (Haiti e Índia). Essas observações se dão sob a ótica das teorias de Edward Said, Francis Fanon, Stuart Hall.Homi Bhabha,Ana Mafalda Leite e G. Spivak.

Pretende-se assim destacar esse sentimento de não-pertença, de estranhamento e de distanciamento da cultura estrangeira como também da própria. Desse modo, faz-se necessário uma breve explanação do que é a não pertença a fim de explicar como ela atua na vida das personagens dessas narrativas. Logo, para compreendê-la é preciso, em primeiro lugar, buscar o significado de sua forma afirmativa. A palavra pertença vem do verbo pertencer, verbo transitivo indireto que significa ser propriedade de; fazer parte de; ser do domínio de. E por sua vez, tem como sinônimo adequar-se cujo significado é compatibilizar-se, ajustar, combinar, harmonizar, afinar, casar, condizer, assentar. Assim, pertença de acordo com o Dicionário Caldas Aulete é um substantivo feminino que significa aquilo que faz parte de; pertence, propriedade; atribuição. Além disso, pertença também é um termo jurídico usado para definir tudo o que acresce em caráter acessório ao bem, passando a ser parte dele. Desse modo, a introdução da palavra não à pertença, faz com que todos esses conceitos sejam anulados e se apresentam assim nas narrativas País Sem Chapéu e Aguapés. Verifica-se que as personagens das duas narrativas encontram um lugar diferente daquele mantido em sua memória quando retornam ao país de origem, aonde quase tudo lhes é estranho: as pessoas, os costumes, o cheiro. O cheiro que antes lhes parecia normal, agora é ruim, desagradável. Assim, o sentimento da não pertença comparece do início ao final das narrativas, no dia a dia de Vieux Os (País Sem Chapéu) e Subhash (Aguapés), uma vez que no Canadá, o primeiro era só mais um operário negro, imigrante que se perdia entre outros na mesma situação. Quanto ao segundo, apesar da sua condição de doutor em Oceanografia, formado pela universidade de Rhode Island, Estados Unidos e depois fazer parte do seu quadro de docentes, continuava a ser um indiano, de pele mais escura, um intelectual, mas assim mesmo um estrangeiro. Portanto, despatriados tanto em um lugar quanto em outro

Palavras-chave


Deslocamento; Não pertença; Pós-colonialismo.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC