A IMAGINAÇÃO NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO

Moacir dos Santos Junior

Resumo


A presente pesquisa, em fase de desenvolvimento, é realizada junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIPLAC e tem como foco principal a noção de imaginação. Ela é considerada central para construir caminhos para superar uma dificuldade constatada por pesquisas e censos brasileiros relacionada aos estudantes de nível superior. Trata-se do frágil desenvolvimento da capacidade de interpretar os textos, de ler e produzir escritos claros que relacionem as ideias novas e as descobertas durante o curso de graduação e/ou pós-graduação com as experiências anteriores dos sujeitos, acumuladas nos registros da memória, sejam elas escolares, de leituras de livros ou leituras de mundo. Podemos considerar que o sujeito com uma bagagem ampla e diversificada de conteúdos imaginários poderia, ao longo da vida, lançar mão deles como auxilio para a sua produção escrita, e também ao estudar os mais variados assuntos, tendo em vista a possibilidade de ligar aquelas imagens conhecidas a palavras e conceitos até então estranhos. Durante a leitura, diante de temas pouco conhecidos, termos ou conceitos novos, que poderiam bloquear a continuidade do trabalho de compreensão, o sujeito, cuja mente fosse povoada de muitas imagens, teria, provavelmente, mais facilidade de fazer associações que vinculassem o mundo novo que a leitura lhe traz – ideias, vocabulário, conceitos, cenários, o que ele não conhece ainda –, ao que já experimentou, isto é, ao seu repertório de experiências e de leituras. Considera-se a literatura um instrumento efetivo de potencialização do aprendizado nesse processo de enriquecimento do imaginário. Segundo Frye (2007), a literatura é uma arte, e a imaginação, instigada por sua leitura, é o instrumento usado para compreendê-la, depois de já termos procurado o significado obscuro das palavras nos dicionários e pesquisado sobre suas alusões clássicas. Realizaremos pesquisa bibliográfica acerca da imaginação e do auxílio a ela prestado pela literatura. Tendo definido nosso tema de pesquisa, iremos em busca do material bibliográfico, em suas fontes informacionais – primárias, secundárias e terciárias –, para posteriormente, podermos realizar a leitura do mesmo, obedecendo a ordem de prioridade perante o tema. Reunido esse conteúdo, poderemos determinar as palavras-chave, autores e instituições de maior relevância para a pesquisa (Volpato, 2000). Realizar pesquisa bibliográfica é buscar o estado da arte do assunto, o seu status quaestionis. A dissertação toma o sentido de uma educação para a imaginação e de uma educação literária, que possibilitam o contato com a tradição, onde o novo faz memória da produção cultural da humanidade, preserva aquilo que mesmo em tempos atuais ainda tem força, ou seja, ainda são válidos, nos transmitem ensinamentos essências para a vida. Diante disso, buscamos compreender qual o papel das produções culturais no enriquecimento do imaginário e como realizar a conexão entre a produção cultural universal e as novas gerações. Juntamente, questionar os professores sobre seu papel de mediadores entre o mundo “velho” e os novos - os alunos.

Palavras-chave


Imaginação; Educação Literária; Pesquisa bibliográfica; Produção cultural; Enriquecimento do imaginário.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC