USO DE ESPAÇOS ALTERNATIVOS COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

Rodrigo Muniz Souza, Rodrigo Branco, Eliza Muniz de Souza, Daniela Nunes Deon

Resumo


Observando o que está à nossa volta, podemos perceber a quantidade de objetos e espaços que nos cercam ao longo do nosso dia-a-dia. E qual o valor que damos a esses pequenos detalhes? Há muitos espaços nas escolas que podem ser aproveitados em diversos momentos, podendo estes tornarem-se uma ferramenta que que favoreça na aprendizagem. Tendo em vista que a Matemática é uma disciplina, onde, muitos estudantes apresentam dificuldades para a compreensão do conteúdo, que em alguns casos, são totalmente abstratos, neste sentido, buscar formas para atrair a atenção e gerar entusiasmo nos discentes pode ser uma maneira de facilitar o processo de ensino e aprendizagem. Durante o processo de observação, vimos nestes espaços uma oportunidade de inserir os conceitos matemáticos de forma prática. Este projeto teve como objetivo geral, mostrar maneiras diferenciadas de trabalhar matemática com os alunos, utilizando ambientes alternativos como ferramenta, e com isso despertar o interesse dos alunos na aprendizagem da disciplina, aumentando a eficácia do processo de ensino, com objetivos específicos: conhecer o ambiente escolar, observar a didática dos professores, bem como o comportamento dos estudantes, e assim, através deste trabalho, aplicar em uma determinada turma, maneiras diferenciadas de trabalhar matemática, utilizando ambientes alternativos (ginásio, paredes, armários, pátio, etc.) como ferramenta, e com isso despertar o interesse dos estudantes na aprendizagem da disciplina, aumentando a efetividade do processo de ensino. Este foi um projeto de estágio realizado na Escola de Educação Básica Belisário Ramos e no Centro de Educação Profissional Renato Ramos da Silva, na cidade de Lages – SC, com estudantes do ensino fundamental e médio onde utilizamos de espaços como as paredes da sala para trabalhar geometria plana, armários e caixas para trabalhar geometria espacial e com mesas e cadeiras trabalhamos sistemas de equações, assim quebramos a monotonia das aulas, outrora ministradas de maneira tradicional, o que nos possibilitou materializar os conteúdos matemáticos, aplicando-os em situações reais. Para iniciar e referenciar este trabalho os principais autores que deram embasamento teórico foram: DAUDE (2014), CHALUB BANDEIRA BEZERRA (2010) e AYRES (2013). Como resultado da aplicação deste projeto percebemos que é possível utilizar os espaços não formais e materiais da escola para construir conhecimentos; concretizar melhor os conteúdos matemáticos através dos espaços disponíveis, demonstrando assim, o quanto a matemática é útil e está presente em nosso dia-a-dia dos estudantes que de fato se prendiam mais as aulas absorvendo aqueles conceitos e conteúdos trabalhados.

Palavras-chave


Matemática; Escola; Didática; Espaços.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC