Panorama de comercialização de vinhos finos e de mesa no Brasil

Marcus Vinícius Pereira Outemane, Douglas Wurz, Betina Pereira de Bem, Ricardo Allebrandt, Adrielen Tamiris Canossa, Juliana Reinehr, Maytê Cechetto, Lucas Comachio, Aike Anneliese Kretzschmar

Resumo


A vitivinicultura brasileira tem despertado interesse em vários segmentos da economia, devido à importância que assume para a sustentabilidade da pequena propriedade de agricultura familiar, para o desenvolvimento do território onde está instalada, para a agregação de valor aos produtos. A atividade ocupa uma área de aproximadamente 83.700 hectares, com uma produção anual em torno de 1.300 mil toneladas, na qual em torno de 40% da produção é destinada ao processamento, na qual podemos destacar a elaboração de vinhos. Apesar de ser uma atividade consolidada em nosso país, a viticultura brasileira carece da divulgação de informações relevantes em relação ao mercado de vinhos e a partir dessas informações definir as tendências do mercado e buscar estratégias para o crescimento e desenvolvimento desse setor. Nesse contexto, tem-se como objetivo deste trabalho realizar um levantamento histórico da comercialização de vinhos finos e vinhos de mesa dos últimos vinte anos no Brasil, podendo assim, definir as tendências do mercado vitícola brasileiro. Para o desenvolvimento do trabalho foram compilados trabalhos científicos e publicações nacionais, em instituições responsáveis pela elaboração e divulgação de dados referentes à produção e comercialização de vinhos no Brasil, sendo eles: Instituto Brasileiro do Vinho, IBRAVIN, Embrapa Uva e Vinho, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, MAPA e União Brasileira de Vitivinicultura, UVIBRA. Ao longo dos últimos vinte anos verificou-se um aumento da comercialização de vinhos no Brasil, com destaque para os vinhos de mesa. Verifica-se para a categoria de vinhos de mesa um acréscimo do volume comercializado entre os anos de 1995 à 2005, e posteriormente havendo uma estabilização do volume comercializado de vinhos de mesa no Brasil. Para os vinhos finos verifica-se um decréscimo do volume comercializado entre os anos de 1995 à 2005, e assim como os vinhos de mesa, após 2005, observa-se uma estabilização no volume comercializado. O segmento de vinhos finos, com o processo de abertura da economia brasileira ao exterior, enfrentou uma forte concorrência registrando-se taxas significativas de crescimento das importações de vinhos. E isso fez com que a comercialização de vinhos finos brasileiros não apresentasse crescimentos significativos. O brasileiro se educou nos últimos 15-20 anos, bebendo vinhos do Chile e Argentina, assim tendo uma grande prefêrencia por vinhos importados. Verifica-se que o grande volume de vinhos brasileiros comercializados no país são os vinhos de mesa, aqueles produtos originários de variedades americanas e híbridas (V.labrusca e V. bourquina). Em 1995, essa categoria representava 78% do volume total de vinhos nacionais comercializados no Brasil, chegando a aproximando 90% em 2015. Observa-se ao longo dos anos um aumento relativo do volume total comercializados de vinhos de mesa no Brasil. O mercado brasileiro de vinhos finos apresenta como entrave a concorrência dos vinhos importados, que faz com que essa categoria mantenha-se estáveis o seu volume comercializado. A categoria de vinhos de mesa representam a maior porcentagem do mercado vitícola brasileiro, e devem ser vistos como produto de grande potencial mercadológico.

Palavras-chave


vitivinicultura, competitividade, vinho nacional



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC