ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA; QUEBRA DE PARADIGMAS

Paulo Cezar Santos Bastos

Resumo


Introdução: Por ter a oportunidade de trabalhar em uma escola, pude observar que muitos alunos não participavam das aulas de Educação Física, em um diálogo aberto com os alunos não praticantes das atividades propostas pelo professor no espaço de suas aulas, estes relataram que o conteúdo trabalhado por este profissional era sempre o futebol, por mais contraditório que pareça, os alunos que participavam desta conversa não se sentiam interessados por este conteúdo praticado quase que com exclusividade nas aulas de Educação Física. Outro elemento de forma transversal, aparece na conversa realizada foi o de dividir os sexos de maneira muito contundente quando da realização de um único conteúdo. Tal ação pedagógica vai de encontro com o que os documentos oficiais da Disciplina Educação Física nos apontam tanto no tocante aos conteúdos quanto a concepção de homem e sociedade que se procura construir em um processo pedagógico mais crítico de ensinar. Tais elementos nos remetem questionarmos sob quais paradigmas está o profissional de Educação Física se fundamentando na busca de um fazer pedagógico que permita a emancipação dos sujeitos? Objetivo Geral: Compreender de que forma o olhar fundamentado do profissional de Educação Física pode contribuir no processo emancipatório dos sujeitos em sua ação Pedagógica. Objetivos Específicos:Observar ação didático Pedagógica do Professor.Compreender qual a implicação da metodologia escolhida pelo profissional, sua ação pedagógica em relação aos alunos.Estabelecer relações entre as diferentes metodologias ou tendências e a prática vivenciada pelos alunos no espaço da aula.Refletir sobre os diferentes paradigmas que se apresentam no espaço de educar do Profissional de Educação Física.Metodologia Critica Construtivista:[...] é preciso entender que as habilidades motoras, desenvolvidas num contexto de jogo, de brinquedo, no universo da cultura infantil, de acordo com o conhecimento que a criança já possui, poderão se desenvolver sem a monotonia dos exercícios prescritos por alguns autores. Talvez não se tenha atentado para o fato de que jogos, como amarelinha, pegador, cantigas de roda, têm exercido, ao longo da história, importante papel no desenvolvimento das crianças [...]. Aprender a trabalhar com esses brinquedos poderia garantir um bom desenvolvimento das habilidades motoras sem precisar impor às crianças uma linguagem corporal que lhes é estranha [...] (FREIRE, 1989, p. 24).Porem o processo de ensino e aprendizagem em Educação Física, portanto, não se restringe ao simples exercício de certas habilidades e destrezas, mas sim de capacitar o indivíduo a refletir sobre suas possibilidades corporais e, com autonomia, exercê-las de maneira social e culturalmente significativa e adequada (BRASIL, 1997, p.27).Metodologia:Pesquisa Bibliográfica e de campo descritiva, com a utilização de questionário com 10 perguntas dirigidas aos aluno e professores sendo analisado de forma quali -quantitativa.

Referências.Brasil, 1997 p.27

Educação de corpo Inteiro 1989 p. 24

http://www.institutophd.com.br/blog/pesquisa-quantitativa-e-pesquisa-qualitativa-entenda-a-diferenca/

Artigos acadêmicos http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2148-6.pdf

Palavras-chave


Quebra de Paradigmas; Educação Física



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC