RITMANDO

Aline Dallazem, Kleyton Gonçalves Luz Nunes, Rodrigo Cesar Stanck, José Francisco Cardoso

Resumo


O presente trabalho visa relatar as experiências do estágio curricular obrigatório, do 5º semestre do Curso de Licenciatura em Música, no qual o grupo atuou em uma turma de 3º ano, em escola da rede municipal de Lages, que contava com 23 alunos, na faixa etária de 8 e 9 anos. O projeto teve como objetivo trabalhar a musicalização através das noções básicas de ritmo. A escola não possui aulas de música, assim o grupo buscou proporcionar o acesso à diferentes experiências musicais, inserindo conhecimentos básicos da música de forma lúdica, desenvolvendo a percepção musical, a sensibilidade, a criatividade, o senso crítico, a participação, a liberdade de expressão, a integração social, entre outras habilidades e competências inerentes ao homem. As intervenções foram dinâmicas e todos os alunos puderam participar ativamente das atividades propostas. No primeiro dia tiveram contato com conceitos básicos de ritmo e pulsação e com a leitura musical de forma alternativa que em seguida transformou-se numa partitura para percussão corporal. Na segunda intervenção desenvolvemos o conhecimento sobre altura. Para identificar grave e agudo, utilizamos a brincadeira de morto-vivo de forma musical, onde os sons graves representavam o morto e os agudos o vivo. Nas intervenções que seguiram relembramos questões dos encontros anteriores e trabalhamos conceito de timbre, apresentando alguns instrumentos de percussão aos alunos e realizando uma pequena atividade de percepção musical, na qual os alunos ouviam o som e adivinhavam qual era o instrumento. Também realizamos trabalho de apreciação musical, de prática de canto coral. Nas intervenções foi apresentado aos alunos os instrumentos Boomwhackers (canos coloridos de diferentes tamanhos, cada um ressoa uma nota diferente da escala) com os quais foi tocada e cantada uma escala de Dó maior. Na penúltima intervenção uma breve história de como o ritmo surgiu foi apresentada, a criação foi incentivada neste dia onde os alunos em grupo criaram pequenos ritmos para se comunicarem entre si. O último encontro teve todos os conteúdos resgatados com objetivo de se criar uma partitura alternativa que resultou em vários ritmos com percussão corporal. Ao concluirmos esta intervenção consideramos que todos os objetivos foram alcançados, sendo que a turma teve importante papel neste sentido, pois receberam e executaram todas as atividades propostas com muito entusiasmo. Ao final do estágio, um diálogo com os alunos comprovou que os temas e conceitos abordados foram entendidos. Utilizamos como embasamento literário para as nossas atividades, os documentos norteadores da área, tais como Proposta Curricular de Santa Catarina (SANTA CATARINA, 2014), Lei de Diretrizes e Bases (BRASIL, 1996), Parâemtros Curriculares Nacionais: arte (BRASIL, 2001), respeitando as fases do desenvolvimento do aluno, fator que auxiliou para o êxito deste estágio.

Palavras-chave


Estágio, Formação, Educação Musical.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC