ULTRASSONOGRAFIA DA TIREÓIDE COMO MÉTODO AUXILIAR NO DIAGNOSTICO

Marcia Hedel

Resumo


O presente estudo trata de um relato de experiência desenvolvido na unidade educacional prática do 5º ano de medicina em um setor de ultrassonografia. Vivenciou-se na prática os conflitos, responsabilidades e habilidade da comunicação com a equipe multiprofissional, além de questões éticas. Isso me permitiu ampliar conhecimentos adquiridos nos diversos cenários do curso de medicina e aprimorar meu olhar enquanto acadêmica de medicina interessada na melhoria da qualidade de vida dos sujeitos que nos procuram. O objetivo deste relato é discutir a ultrassonografia (US) da tireóide como exame complementar no diagnostico de distúrbios desta glândula. A metodologia utilizada na revisão foi pesquisa em livros clássicos de clínica médica e artigos científicos da área de Ultrassonografia onde utilizou-se como palavras-chave ultrassonografia, nódulos e tireóide. Os nódulos de tireóide são um problema clínico comum e recentemente foi demonstrado que algumas características ultrassonograficas dos nódulos estão associadas a um maior risco de câncer( KIMURA et al, 2011). Sua avaliação tem como objetivo principal selecionar para cirurgia os pacientes que tem nódulos, com risco maior de malignidade. A ultrassonografia da tireóide é mais frequentemente utilizada para confirmar achados de exame clinico, para medir objetivamente nódulos ou guiar punção aspirativa por agulha fina (PAAF), procedimento este, utilizado para o auxilio no diagnostico diferencial(CLÁUDIO et al, 2011). A observação de características dos nódulos durante a US pode fornecer informações importantes sobre os mesmos, alguns aspectos ultrassonograficos, como conteúdo solido, hipoecogenecidade, margens irregulares, microcalcificacões, halo periférico ausente ou descontinuo estão associados a câncer de tireóide, considerados suspeitos de malignidade os nódulos que apresentavam microcalcificacões ou hipocoegenecidade ou halo ausente com sensibilidade de 81% e especificidade de 70%( KIMURA et al, 2011). A US combinada com a PAAF é utilizada quando é necessário um teste mais sensível, assim a combinacão em paralelo (US e PAAF) pode ser mais vantajosa na avaliação de nódulos de tireóide, em situações que haja elevada probabilidade da presença de câncer de tireóide. Exames em serie aumentam a especificidade, evitando tratamentos desnecessários ( SIMONE et al, 2002).

Palavras-chave


Ultrassonografia, Nódulos, Tireóide.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC