IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DO CÂNCER DE PELE

Vanessa Freitas Bratti, Patrícia Alves de Souza

Resumo


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 30 a 40% de todos os casos de câncer poderiam ser evitados por meio de prevenção. E dentre todos os cânceres, o mais frequente em ambos os sexos é o câncer de pele. O estudo foi originado a partir do projeto de pesquisa: “Incidência de câncer de pele na população de Lages no ano de 2014”. O objetivo é identificar o perfil do câncer de pele. Bem como, apresentar definição, epidemiologia, patologia, patogenia, manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento e prevenção. A metodologia utilizada na revisão foi pesquisa em livros de clínica médica e oncologia e periódicos científicos onde utilizou-se como palavra-chave: Neoplasias cutâneas, constituindo a amostra de oito fontes bibliográficas. A industrialização e a progressiva mudança do homem dos campos para as cidades têm sido acompanhadas do aumento da exposição do homem a uma crescente lista de agentes com potencial mutagênico e carcinogênico. Aliados, esses fatores explicam a crescente incidência de câncer no Brasil e no mundo. O Instituto Nacional do Câncer no Brasil (INCA) estimou que, em 2014, ocorreriam 576 mil casos novos de câncer no país. Como a pele é um órgão heterogêneo, esse tipo de câncer pode apresentar neoplasias de diferentes linhagens. O câncer de pele tem distribuição universal e costuma apresentar-se sob três principais formas: melanoma, carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. O diagnóstico do câncer de pele é realizado através de biópsia, um procedimento cirúrgico no qual se colhe uma amostra de tecido para posterior estudo das células em laboratório. É importante realizar o estadiamento do câncer afim de estabelecer o prognóstico do paciente e a conduta a ser seguida. A escolha do tratamento depende do tipo de tumor, da localização, tamanho e profundidade, por isso a importância da biópsia para confirmação do tipo histológico. Outros fatores importantes para a escolha do método terapêutico são: idade, condições clínicas do doente, número de lesões, tumor primário ou recidivado, limites do tumor e exérese incompleta. O câncer constitui atualmente um dos problemas de saúde que causa maior preocupação às pessoas, pela sua elevada frequência e imagem de sofrimento e destruição física que a doença carrega consigo. Conclui-se que a identificação do tumor definirá o método de tratamento e de intervenção. Também é fundamental importância identificar os principais fatores de risco para evitar o desenvolvimento de câncer de pele e principalmente dos fatores de risco modificáveis presentes nessa população, para realizar a prevenção dessa neoplasia maligna.

Palavras-chave


Medicina clínica; Dermatologia; Oncologia; Neoplasias cutâneas.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC