HUMANIZAÇÃO DO NASCIMENTO: PERCEPÇÃO DE USUÁRIAS ACERCA DA EXPERIÊNCIA DO NASCIMENTO NO AMBIENTE HOSPITALAR

Viviane Aparecida Claumann, Laura Liz Koech, Suian de Liz Gonzaga dos Santos

Resumo


Diante da realidade da assistência obstétrica, configura-se como um desafio ás instituições e aos profissionais que assistem a mulher e o recém- nascido/família mudar a concepção e as práticas predominantes, para assim tornar o nascimento um evento familiar, incorporando ações que os considerem os principais atores envolvidos no momento do parto e nascimento. As maternidades do estado de Santa Catarina, desde a implantação do Programa Rede Cegonha, vêm passando por um intenso processo de transformação, iniciado principalmente pela contratação de enfermeiras obstétricas para compor as equipes de atenção ao parto e puerpério. Com a vinda destas profissionais, muitas mudanças ocorreram especialmente no que se refere á práticas humanizadas de atenção ao parto. Contudo, as gestantes não são atendidas somente por estas profissionais, desta forma, faz-se necessário pontuar qual a percepção das usuárias diante do atendimento recebido e se este atendimento realmente incorporou o modelo de atenção ao parto proposto pelo Ministério da Saúde. Trata-se de um projeto de pesquisa de caráter qualitativo descritivo, na qual buscará conhecer a experiência das usuárias acerca da proposta de cuidado humanizado preconizadas pela Rede Cegonha realizados em uma maternidade, identificando as fragilidades e potencialidades oferecidas á mulher/família durante o trabalho de parto. A pesquisa será realizada nas Unidades de Alojamento Conjunto de determinada maternidade, situada em um município da região da serra catarinense. Os sujeitos da pesquisa serão puérperas em puerpério imediato que vivenciaram o trabalho de parto nas dependências da maternidade, independente do tipo de parto ocorrido, conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS). A pesquisa ocorrerá no segundo semestre de 2015, em um período de 30 dias estima-se alcançar em torno de 15 à 20 sujeitos a fim de abranger ao máximo o problema investigado em suas múltiplas dimensões. O estudo utilizará como fonte de informação o próprio relato das puérperas, através de um entrevista com roteiro de questionário. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) sob o número CAE 4703.5515.8.0000.5368 e seguirá a Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Para que seja efetuada a entrevista às puérperas serão informadas sobre o tema e objetivos através do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) e somente após concordarem em participar e assinarem o TCLE é que serão realizadas as entrevistas. Os dados serão analisados através da análise temática de conteúdo segundo Minayo (2007) nas seguintes etapas: Pré análise, exploração do material ou codificação e tratamento dos resultados obtidos/interpretação. Espera-se assim que os resultados obtidos desta pesquisa sirvam como importante subsídio à equipe de saúde da maternidade, em questão especialmente no que se refere à qualidade do atendimento oferecido à mulher em um momento tão especial de suas vidas: o nascimento de um filho.

Palavras-chave


Palavras Chave: Humanização, Rede Cegonha, Obstetrícia, Parto, Família.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC