DIABETES MELLITUS - UM BREVE APANHADO SOBRE A DOENÇA

Eliéser Mendes

Resumo


O Eletivo é uma Unidade Educacional do curso de medicina da Universidade do Planalto Catarinense a partir do segundo ano letivo. Tem duração de 200 horas e caracteriza-se por um período no qual o aluno escolhe uma área medica na qual queira aprofundar seus conhecimentos, sendo acompanhado por um professor/orientador. O campo de atuação no Eletivo do 2º foi a área de Medicina da Família e Comunidade, na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro São Carlos e no Pronto Atendimento Tito Bianchini, ambos na cidade de Lages, durante o período compreendido entre 8 de junho e 3 de julho de 2015. Na UBS, a atividade era condicionada para a realização de uma boa anamnese e exame físico nos pacientes. No Pronto Atendimento Tito Bianchini, as atividades consistiam em acompanhar os médicos plantonistas, seja fazendo triagem como também nos atendimentos de emergência. Neste período acompanhou-se muitas pessoas portadoras de diabetes mellitus, sobretudo idosos. Partindo dessa realidade objetivou-se com este estudo realizar uma breve revisão bibliográfica sobre o tema ''diabetes mellitus'', apresentando um breve resumo sobre a doença. O método de revisão baseou-se em artigos publicados entre 2002 e 2015 nas bases de dados BVS e SciELO e um livro de medicina interna publicado em 2014. Em 2002 a estatística mundial de pessoas diagnosticadas com a doença era de 173 milhões, porém estudos afirmam que número deve crescer e atingir os 300 milhões em 2030. No Brasil a realidade é semelhante a mundial, em 2000 o país ocupava a 8ª posição entre os países com o maior número de diabéticos, com aproximadamente 4,6 milhões, e tem perspectiva de chegar aos 8.9 milhões em 2030. O diabete mellitus é um distúrbio metabólico caracterizado pela heperglicemia. É dividido em dois tipos, o Tipo 1, definido como insulino-dependente devido a uma destruição auto-imune das células beta-pancreáticas, e o Tipo 2, definido como um distúrbio insulino-resistente. O diabetes mellitus tipo 1 é resultado de fatores genéticos, ambientais e principalmente auto-imunes (80% dos casos). Já o diabetes mellitus tipo 2 possui alta penetrância genética associada a hábitos de vida não saudáveis. O diagnóstico depende de uma boa anamnese e se confirma através dos exames laboratoriais de glicemia de jejum e do teste de tolerância oral à glicose. O tratamento se baseia num rígido controle glicêmico por parte do paciente, o mesmo deve mudar seus hábitos de vida e em alguns casos deve fazer uso de fármacos e/ou insulina. A falta de tratamento pode levar o paciente a diversas complicações, como nefropatia, retinotinopatia, neuropatia, amputações de membros, dentre outras. Desta forma é importante que se faça um bom rastreio na população por meio de uma boa anamnese nas UBSs, assim novos casos poderão ser precocemente detectados e poderão ter um tratamento adequado, evitando-se maiores complicações.

Palavras-chave


Diabetes Mellitus; Epidemiologia; Doença Crônica; Complicações do Diabetes



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC