O CENÁRIO TECNOLÓGICO NA ATIVIDADE DE PEQUENAS PROPRIEDADES AGRÍCOLA FAMILIAR

Cristina Yamaguchi, Ana Paula Silva dos Santos, Melissa Watanabe

Resumo


O cenário competitivo exige ações inovadoras no ambiente rural. O uso de tecnologias auxilia neste processo e na agricultura pode ser encontrada no produto, no processo e na gestão. Porém, a dificuldade para alcançar essa tecnologia pelos pequenos produtores rurais encontra-se no desafio de levantar o capital e a adaptação das tecnologias existentes às necessidades da propriedade rural. Desta forma o estudo objetiva expor o cenário do uso de tecnologias por pequenos agricultores familiares rurais da região sul de Santa Catarina. Para alcançar a proposta do artigo, foi estruturado metodologicamente como interdisciplinar, com abordagem qualitativa, exploratória, estudo múltiplo de dados, técnica de pesquisa entrevista. Assim, com base em uma pesquisa teórica estruturou-se um questionário aplicado junto aos pequenos agricultores familiares. A pesquisa foi aplicada junto a sete produtores rurais da região sul de Santa Catarina e seis deles trabalham no regime de diversificação agrícola. Os produtores entrevistados possuem experiência que varia de 01 a 20 anos, e um dos entrevistados relatou estar na atividade como proprietário há dois meses, como filho de produtores rurais. A partir das experiências relatadas pelos agricultores, foi questionada a sua percepção relativa ao uso de tecnologia em suas propriedades. Constatou que os produtores associam a tecnologia como a utilização de máquinas com objetivo de facilitar o processo produtivo. As culturas desenvolvidas nas propriedades rurais pelos entrevistados são essencialmente, criação de frango, cultivo de arroz, de fumo e de milho. A criação de frango é direcionada para uma agroindústria multinacional por meio do contrato de integração e o fumo entregue diretamente para três grandes indústrias, que possui seu processo de produção acompanhado e uniformizadas por essas organizações. Observou nos relatos dos agricultores familiares que este tipo de produção traz reflexos positivos para a propriedade, visto que há incentivos para inserir novas tecnologias no processo produtivo das propriedades rurais. Por meio destas tecnologias e constante contato com os técnicos das agroindústrias, os agricultores possuem maior acesso às informações e conhecimento científico que são socializados com auxílio dessas organizações. Em contrapartida a escolaridade do agricultor dificulta o uso de técnicas para o armazenamento de dados, informações e conhecimento, pois, não há um controle efetivo de gestão em meios tecnológicos. Dentre os entrevistados, somente um dispõe do título de graduação e utiliza o controle sistematizado de gestão. O uso de novas tecnologias é um processo moroso para os produtores rurais, decorrente da dificuldade de acesso e da limitação advinda das organizações consumidoras da matéria prima, que obrigam o uso de um formato pré-estabelecido de produção e também pelo difícil acesso da localidade. O difícil acesso é explicitado pelos entrevistados, quando afirmam que o conhecimento de novas tecnologias advém de meios como televisão, visita de vendedores, da empresa compradora e apenas um citou o uso da internet. Um último fator a se considerar no uso de tecnologia é a questão financeira, onde uns tem mais acesso ao capital para investimento e outros menos, dificultando o acesso e a implementação das tecnologias nas propriedades rurais desta localidade.

Palavras-chave


Agricultura familiar; Propriedades rurais; Uso da tecnologia.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC