AS MULHERES BRASILEIRAS NO PODER

Sandra Mara Silva dos Santos Zamin

Resumo


O presente Projeto de Pesquisa tem como tema As Mulheres Brasileiras no Poder. Através dele buscamos observar na disciplina de História como é abordado o papel da mulher na política, e justificar a importância de se trabalhar este tema em sala de aula. Vivemos num mundo onde a cultura machista sempre dominou e pretendemos desconstruir essa ideia e reconhecer que a mulher sempre esteve presente na história, fazendo história. Tem como objetivo geral analisar como o (a) professor (a) de História aborda a questão da mulher brasileira no poder. Mais especificamente, observar se o (a) professor (a) de história trabalha a questão da mulher em sala de aula, reconhecer o papel da mulher na política brasileira nos séculos XIX e XX com recorte temporal para Princesa Isabel e Bertha Lutz e na atualidade com a presidenta do Brasil, e identificar como os alunos do ensino fundamental II e médio interpretam o papel da mulher no poder. Para tanto será aplicado questionário aos professores e alunos além da pesquisa bibliográfica com referencial teórico baseada nas leituras de DAIBERT JUNIOR, PINTO, AMARAL e outros.

Esta pesquisa será desenvolvida numa escola da rede pública estadual, com professores (as) de História e alunos (as) do médio, por meio de observação com coleta de dados. Farei análise dos dados coletados e pesquisa em livros didáticos do ensino fundamental II e ensino médio da disciplina de história, baseado principalmente nos documentos norteadores da educação, Parâmetros Curriculares Nacionais para Temas Transversais do Ensino Fundamental II, 1998, Diretrizes Curriculares Nacionais, Daibert Junior, Guacira Lopes Louro, Minayo, Gil, Demo, Revista Aventuras na História, Gênero e Diversidade na Escola, Lei n. 9.394/96 – Lei Darcy Ribeiro e Legislação Correlata e artigos da Scielo e CAPES e outros. Por muito tempo o homem dominou o mundo, o país, a família e especialmente política. Mas nos últimos anos o* contingente feminino da população brasileira teve mais visibilidade do que nunca, as mulheres começam a falar a partir de sua condição de mulher, mãe, dona de casa, trabalhadora, estudante e política, condição esta que é constituída a partir do reconhecimento da opressão, do reconhecimento da história pessoal e coletiva, de constituição de interesses e lutas próprias. Portanto, a ruptura do sujeito homem como sujeito universal se dá pela constituição do sujeito mulher enquanto positividade distinta do feminino como determinação biológica. No Brasil, a emergência do sujeito mulher está inserida em uma conjuntura histórica específica, que em grande medida empurrou o campo de luta para a arena política de forma mais visível e mesmo mais radical do que em outros países. *As mulheres demoraram a entrar no jogo da democracia, mas neste século, elas chegaram ao poder em todos os continentes, em partidos de direita e esquerda, no presidencialismo ou no parlamentarismo. *As mulheres estão mais bem representadas na política da América Latina do que em outras regiões do mundo. (Céli Regina Jardim Pinto. 1994.) e (Revista Aventuras na História. Ed.138,2015). Esta pesquisa está em andamento, por isso nada a considerar.

Palavras-chave


Mulher; Gênero;Política.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC