RELATO DE EXPERIÊNCIA DE CAMPO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Beatriz Freitas da Cruz, Laura Aparecida Mendes, Susana da Silva Pires de Liz, Arnete Trein, Rubia Carla Costa Mendonça

Resumo


O presente trabalho trata-se de um relato de experiência de campo de estágio curricular obrigatório o qual é desenvolvido na disciplina de Estágio Supervisionado II, no curso de Serviço Social- 6º semestre na Universidade do Planalto Catarinense- UNIPLAC. Neste abordaremos a nossa inserção como estagiárias de Serviço Social na “Casa de Semiliberdade de Lages-CSL-10”, é a única de responsabilidade do Estado, sendo está instalada em moldes residenciais. A mesma tem como objetivo contribuir para o processo de ressocialização no meio familiar e social e garantir os direitos dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa de semiliberdade. Seus principais gestores e responsáveis são: Secretaria de Estado da Justiça e Cidadania e o Departamento de Administração Socioeducativa (DEASE). A medida socioeducativa de semiliberdade é regulamenta pelas seguintes legislações: Estatuto da Criança e do Adolescente- ECA (Lei 8.069\1990) e o Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo- SINASE (Lei 12.594/2012). A instituição conta com uma equipe multidisciplinar composta por assistente social, técnico em atividades da saúde e pedagogo. Seu público alvo destina-se ao atendimento de adolescentes do sexo masculino; faixa etária de 12 a 18 anos (e na excepcionalidade prevista no art.2º do ECA até os 21 anos); oriundos das outras comarcas, aos quais lhes tenha sido atribuídos a autoria de ato infracional e recebido medida socioeducativa de semiliberdade. As atividades desenvolvidas na CSL-10 são: Palestras com temáticas diferenciadas; Curso de informática básica; Oficina pedagógica; Atividades artesanais, esportivas, espirituais, culturais e de lazer. Nesse sentido, o estágio supervisionado nos permite uma aproximação com a realidade social, articulando teoria e prática, bem como o conhecimento da prática profissional do assistente social neste espaço, aprimorando nosso processo de formação acadêmica. Em relação ao estágio na Casa, esperamos contribuir para o processo de ressocialização dos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de semiliberdade, visando sua formação enquanto sujeito autônomo capaz de tomar suas próprias decisões sem tornar-se reincidente em práticas de atos infracionais, assim como sua formação intelectual e profissional. Para alcançarmos tais objetivos, neste semestre será desenvolvido um projeto de intervenção, no qual serão traçados propostas de atividades a serem executadas durante todo o ano letivo de 2016 em conformidade com as necessidades vividas na instituição procurando contribuir para o processo de fortalecimento e autonomia do público atendido.

Palavras-chave


Semiliberdade. Medida socioeducativa. Serviço Social. Estágio curricular



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC