CRIAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO MÚLTIPLO DE CASOS

Ana Paula Silva dos Santos, Cristina Keiko Yamaguchi, Melissa Watanabe

Resumo


A mudança da sociedade industrial para a sociedade do conhecimento, deu ênfase a valorização do saber frente aos bens materiais. A criação e propagação do conhecimento é aplicado de acordo com a natureza do mesmo, assim há a classificação entre conhecimento tácito e conhecimento explícito. O conhecimento tácito é apresentado de modo informal, advindo de experiência, técnicas e sob o formato cognitivo. Já o conhecimento explícito é de fácil formalização e compartilhado no formato de escrita, sons, imagens e vídeos. Desta forma o estudo objetiva expor a criação e compartilhamento de conhecimento dos pequenos produtores rurais do sul de Santa Catarina. A pesquisa é descrita como científica, pois apresentou um procedimento metodológico quanto a disciplinaridade caracterizada como interdisciplinar, quanto ao tipo de pesquisa aplicada, método de pesquisa dedutivo, abordagem de pesquisa qualitativa, objetivo de pesquisa descritivo, estratégia de pesquisa estudo múltiplo de casos e técnica de pesquisa entrevista. A pesquisa foi aplicada com seis proprietários rurais, atuantes na diversificação agrícola, com propriedades localizadas na região sul de Santa Catarina. Os agricultores produzem várias culturas, assim cinco dos entrevistados plantam arroz e criam frango, quatro cultivam fumo e um planta milho. A iniciação da primeira cultura é baseada no conhecimento compartilhado de pai para filho. Os agricultores também afirmam que os técnicos ensinam vários métodos, no entanto lhes falta ainda, o conhecimento prático, trazendo algumas perdas na produção. Cinco entrevistados lembram a relevância das palestras financiadas por empresas compradoras dos insumos e cooperativas, para a aquisição de conhecimento. Quatro agricultores exibem a importância do compartilhamento de conhecimento entre vizinhos, na formação de um novo saber. A experiência também é apresentada por dois agricultores como gerador de novos conhecimentos. A socialização do saber é perceptível pelos agricultores. Os mesmos apresentam maior confiabilidade no conhecimento tácito, advindo da experiência, seja na experiência dos mesmos ou de vizinhos. Foi relato por alguns agricultores que alguns conhecimentos científicos dos técnicos, apresentarem resultados negativos na prática, refletiu na falta confiança em alguns conhecimentos explícitos. O conhecimento criado e compartilhado não é armazenado. Os produtores demonstram uma grande memória com relação a fatores como intempéries do tempo e produção de anos anteriores, apenas alguns têm fotografias de recordação, mas sem foco no conhecimento aplicado no produto. Foi percebido que os produtores entendem que o conhecimento é um dos insumos mais importante para a produção, apenas um agricultor afirmou que os bens materiais é o mais relevante no cultivo agrícola. Esta visão revela a mudança para a sociedade do conhecimento também na agricultura.

Palavras-chave


Gestão do Conhecimento; Pequena propriedade rural; Diversificação agrícola.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC