Acompanhamento Da Hipertensão Arterial E Diabétes Na Saúde Da Família: Proposta De Indicadores

Tiago Santer, Ana Paula da Silva, Miryan de Fatima Silva

Resumo


O uso de instrumentos metodológicos econômicos em saúde é necessário em vista da escassez e dificuldade de alocação de recursos no setor público. Os indicadores são ferramentas fundamentais para a quantificação da situação de saúde de um determinado grupo. Transformar dados coletados pelos Agentes Comunitários de Saúde em informação analítica propicia as equipes de saúde da família conhecer melhor a situação de saúde dos hipertensos e diabéticos adscritos. Neste contexto o presente trabalho tem o objetivo de propor indicadores de acompanhamento dos hipertensos e diabéticos formulados a partir de dados colhidos regularmente pelos Agentes Comunitários de Saúde no cadastro individual do e-SUS. Foram gerados indicadores analíticos e sintéticos a partir de proporções e índices dos dados da ficha de acompanhamento individual do e-SUS. Através da analise das informações referentes à ficha de cadastro individual do e-SUS, sugere-se três indicadores analíticos para hipertensos: proporção de hipertensos que referem estar com o peso adequado, proporção de hipertensos que referem não estar dependentes ou abusar de álcool e/ou fumo, proporção de hipertensos que referem não ter tido infarto agudo do miocárdio e/ou acidente vascular cerebral. Três indicadores analíticos para diabéticos: proporção de diabéticos que referem estar com o peso adequado, proporção de diabéticos que referem não estar dependente ou abusar de álcool e/ou cigarro, proporção de diabéticos que referem não ter hipertensão arterial e/ou ter tido infarto agudo do miocárdio e/ou acidente vascular cerebral. E, tendo como base estes indicadores analíticos é sugerido um indicador sintético para hipertensos: índice de saúde dos hipertensos na saúde da família, e um indicador sintético para diabéticos: índice de saúde dos diabéticos na saúde da família. O estudo dos dados colhidos regularmente pelos Agentes Comunitários de Saúde nas visitas domiciliares é importante para dimensionar, analisar variações geográficas e temporais da situação de saúde dos hipertensos e diabéticos, assim como, subsidiar processos de planejamento, gestão e avaliação no controle da pressão arterial e glicemia dos hipertensos e diabéticos acompanhados pela equipe de saúde. A obesidade, o tabagismo, o etilismo, a hipertensão arterial, a diabetes mellitus, o infarto agudo do miocárdio e o acidente vascular cerebral são condições que podem ser evitadas e controladas, resultando em melhor qualidade de vida e maior expectativa de vida. Um dos principais fatores de risco para o agravo da hipertensão e diabetes é a obesidade. O tabagismo e uso excessivo de álcool são fatores de risco para o agravamento da hipertensão arterial e o diabetes. As principais causas de morbimortalidade no inicio do século XXI são as doenças do aparelho circulatório, tendo destaque a doença coronariana, as cerebrovasculares e a insuficiência cardíaca, sendo a hipertensão arterial o principal fator de risco para estas doenças. Portanto, formular indicadores a partir de dados dos hipertensos e diabéticos coletados rotineiramente na saúde da família, possibilita quantificar, analisar variações temporais e geográficas da realidade em que a população acompanhada pela saúde da família esta inserida, além de subsidiar o processo de cuidado desta população.

Palavras-chave


saúde da família; epidemiologia; gestão em saúde



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC