Estudo Longitudinal do Heterocontrole da Fluoretação das águas de abastecimento de Lages-SC

Mirian Kuhnen, Renato Omura, Letícia Amaral, Ramona Ceriotti Toassi

Resumo


A presente pesquisa trata sobre a vigilância dos teores de flúor da água de abastecimento público do município de Lages. Dentre as características da qualidade da água está a adição de fluoretos às águas de abastecimento público que é considerada a forma coletiva de aplicação de flúor mais importante em Saúde Pública, pois alcança a combinação das máximas: eficácia, efetividade e eficiência no controle da doença cárie dentária (Brasil, 2009). A constatação de que, em muitas localidades brasileiras ocorriam oscilações nas concentrações do flúor adicionado às águas de abastecimento público, motivando a formulação de uma proposta para implantação de sistemas de vigilância sanitária, originou o chamado heterocontrole. O termo foi proposto por Narvai(2000a) como o princípio, segundo o qual se um bem ou serviço qualquer implica risco ou representa fator de proteção para a saúde pública e então além do controle do produtor sobre o processo de produção, distribuição e consumo deve haver controle por parte das instituições do Estado. Objetivo: Realizar o acompanhamento, periódico e sistemático, do teor de fluoreto adicionado à água da rede pública de abastecimento do município de Lages – SC – Brasil. Método: Trata-se de um estudo longitudinal de vigilância dos teores de fluoreto das águas de abastecimento público do município de Lages (SC). A primeira etapa da pesquisa iniciou em 2004 e seguiu até 2013. Nessa nova etapa do estudo dos 11 pontos de coleta das amostras de água foram alterados para apenas três considerando a Portaria MS 2.914/2011 e conforme CECOL (2011). Para não ficar dependente de uma única amostra, recomenda-se a obtenção de pelo menos três amostras por mês, de cada sistema, obtidas no mesmo dia em diferentes pontos do território abastecido pelo respectivo sistema. Dessa forma, no período de um ano devem ser obtidas pelo menos 36 amostras de um determinado sistema. Seguindo o mesmo protocolo de coleta, as amostras são coletadas em 2 frascos plásticos de 10 ml, para cada ponto de coleta. Antes da coleta, os frascos devem ser enxaguados por 3 vezes com a mesma água e ser coletada e identificados. Quanto ao método laboratorial o eletrométrico apresenta o procedimento mais simples e mais exato na determinação de flúor, quando comparado com outros métodos. O laboratório de referência é o Laboratório de Análise dos Teores de Flúor da UNICAMP – Piracicaba. Considerações finais: Este projeto foi aprovado no Edital 062/2014-Uniplac com participação de dois bolsitas. Os resultados das análises de flúoreto do laboratório de Piracicaba estão sendo aguardados.

Palavras-chave


fluoretação; água; análise; heterocontrole; vigilância sanitária



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC