Doença de Addison: Relato de caso atendido em um hospital da Serra Catarinense

Roberto Odair Grassi, Cristiano Antonio Grassi, Matheus Antonio Fabro, Rafael Frizon, Manoel Tiago Vidal Ramos Jr., Felipe serena Porto, Marcio Petenusso, Fernando Arruda Ramos

Resumo


Introdução: A Doença de Addison (DA) é reconhecidamente detectada pela ausência da síntese de glicocorticoides e mineralocorticoides pela glândula adrenal, tendo uma prevalencia estimada entre 0,45-11,7 casos por cem mil habitantes. Objetivo: Relatar um caso de DA atendido em um hospital da serra catarinense com DA. Metodologia: Relato de caso. Relato de Caso: HCW, 42 anos, masculino, pardo, pedreiro, analfabeto. Com queixa principal de paresia em membro inferiores, parestesia generalizada, oligúria e insônia. Antecedente cirúrgico por ferimento de arma branca, em tratamento para hipotireoidismo há 12 anos. Ao exame físico: regular estado geral, sem alterações dos sinais vitais, paresia grau III em membros inferiores, e manchas hipercrômicas em mucosa labial e julgal. Os exames laboratoriais mostraram Na+ 110 mEq/L, k+ 7,1 mEq/L, creatinina de 2,61 mg/dl; a continuidade da investigação revelou cortisol de 0,98 µg/dl, ACTH de 1.083,0 pg/dl, THS e antiperoxidase elevados. Sendo a hipótese diagnóstica principal, DA. O paciente foi tratado com prednisolona 7,5mg/dia e fludrocortisona 0,1 mg/dia, em doses matinais, além da correção da natremia, ficou hospitalizado por 7 dias com boa melhora do estado geral em curto prazo, houve melhora significativa da paresia no primeiro dia de correção da hiponatremia, esta correção foi gradual com 10mEq/L ao dia; a diurese foi rapidamente reestabelecida, 1200ml nas primeiras 24h, e a creatinina reduziu com o aumento da diurese; a hipercalemia e hiperuremia reduziram gradativamente, reestabelecendo seus níveis normais em 5 dias. O paciente foi referenciado ao ambulatório da especialidade e continua em acompanhamento. Considerações: A insuficiência adrenal cortical primária crônica tem como protótipo a DA, é caracterizada como uma síndrome perdedora de sal, associada à hipercalemia, hiperpigmentação da pele exposta ao sol e manchas hipercrômicas nas mucosas; e geralmente seu diagnóstico é feito aos olhos do clinico mais atento.

Palavras-chave


Addison; suprarrenal; hiponatremia; hipercalemia; hiperpigmentação



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC