Transtorno Dissociativo de Identidade: o que a teoria não explica?

Anderson Chagas Oliveira, Bruna Pereira Dondé, Gisele Willrich Narciso Agostini

Resumo


Introdução: O Transtorno Dissociativo de Identidade, também conhecido por Síndrome da Personalidade Múltipla é bastante raro, pouco compreendido e, mesmo, refutado por muitos psicoterapeutas e pesquisadores. De maneira geral, o distúrbio estaria relacionado, principalmente, a diversos tipos de trauma ocorridos, principalmente, na infância, os quais provocariam uma dissociação da personalidade e a criação de identidades secundárias, visando defender a personalidade nuclear. Entretanto, as personalidades secundárias apresentam extrema riqueza psicológica e características bastante variadas e diferentes daquelas da chamada identidade nuclear. Objetivos: Este trabalho procurou apresentar diversas incongruências existentes quanto à realidade das personalidades secundárias, levantando hipóteses e permitindo a discussão acerca das mesmas e, também, de sua relação com a realidade espiritual, constantemente negada e, geralmente, ridicularizada na ciência e, especificamente, na Psicologia. Métodos: O trabalho baseou-se em pesquisa de literatura acerca do Transtorno Dissociativo de Identidade. Foram realizados estudos em livros científicos e também em livros que relatavam casos de personalidade múltipla. Artigos científicos nas áreas da Psicologia e da Psiquiatria também foram lidos e analisados e, por fim, também se pesquisou livros que abordavam o tema baseados nas questões espirituais. Resultados: Foram encontradas várias incongruências acerca desse transtorno, tais como as personalidades secundárias falarem idiomas desconhecidos da personalidade principal. Exames físicos também demonstram variações quando cada identidade “toma posse†do corpo; por exemplo, quando a identidade principal está presente, a pessoa tem diabetes, mas quando uma personalidade secundária aparece, o diabetes some e surge outra doença. Como se explica o corpo de uma pessoa ter diabetes em um momento e, alguns minutos depois, não o ter? Ou como se explica que as personalidades secundárias sejam capazes de falar idiomas que a identidade central desconhece? Além disso, conforme as teorias aceitas, as personalidades secundárias surgem a partir de algum tipo de trauma, justamente para protegerem a identidade nuclear. No entanto, são amplos os relatos de casos onde as personalidades secundárias tentam cometer suicídio, praticam roubos, estupros e outros tipos de violência. Como explicar tais tipos de comportamentos disfuncionais em personalidades que surgiram para proteger o indivíduo? Considerações As atuais teorias que abordam esse tema, principalmente baseadas na psicanálise, não respondem às inúmeras incongruências que são colocadas. Além disso, há estudiosos que acreditam em um componente espiritual. Propomos àqueles que estudam e trabalham na área da saúde mental, que não se prendam a teorias ou esquemas, mas que pelo contrário, sejam questionadores. Aprendam com os fatos, coloquem de lado as teorias e aprendam com a realidade. Não apliquem respostas prontas aos seres humanos, pois estes, dentro de sua complexidade, não podem ser colocados em caixas fechadas. Distúrbio dissociativo de identidade é apenas um tema dentro da Psicologia, entre vários outros que merecem e devem ter um enfoque mais espiritualista.

Palavras-chave


Transtorno Dissociativo de Identidade; Psicologia; Espiritualidade



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC