Operação cesariana e sua incidência

Bruna Borges

Resumo


Este trabalho tem por objetivo apresentar uma discussão referenciada nas publicações epidemiológicas sobre a incidência de cesarianas. Trata-se de uma revisão bibliográfica originada da observação realizada durante a prática em obstetrícia desenvolvida durante a Unidade Educacional Eletivo do curso de Medicina da Uniplac durante o ano de 2013. Foi fundamentada em literatura específica e dados estatísticos oficiais. A cesárea é o nascimento que se dá por meio da incisão cirúrgica abdominal e incisão uterina. As indicações para cesárea podem ser absolutas e relativas. Dentre as absolutas está a placenta prévia oclusiva, o herpes genital ativo, o feto em situação transversa, a desproporção cefalopélvica, o prolapso de cordão e a cesárea post mortem. Já as relativas incluem sofrimento fetal, gestante HIV positivo, deslocamento prematuro de placenta, apresentação pélvica, gestação múltipla, macrossomia fetal e cesárea prévia. Em relação à incidência, é evidente que é crescente o número de cesáreas em todo o mundo. Em alguns países a incidência de cesáreas chegou a aumentar 50% entre os anos 1970 até final de 1990. O conjunto de fatos que promoveram esse acréscimo envolvem as novas técnicas operatórias e anestésicas e as mudanças culturais no mundo moderno. Além disso, também foi relevante o fato de que a operação cesariana pode favorecer a proteção contra complicações do parto por via vaginal, como incontinência urinaria de esforço e prolapso genital. No Brasil, a taxa de cesarianas subiu de 32% em 1994 para 52% em 2010. Das regiões analisadas em 2010, a região Norte foi a que teve menor incidência, 41, 82%, seguida da região Nordeste de 44,36 %, Centro-Oeste com 57,43%, região Sul 58,14% e região Sudeste 58, 26%.Na região Sul, SC foi o estado que obteve menor índice, de 57,67%, já PR e RS ficaram com 58%.Na cidade de Lages em 2010 foram feitos 3083 partos, sendo estes 1693 cesáreas totalizando 54,9%. Em 2011 dos 3278, 1743 foram cesáreas (53,1%). Em 2012 dos 3342, 1843 foram cesáreas (55,1%). E em 2013 até agora foram feitos 2077 partos, sendo 1115 cesarianas (53,6%). Esses dados são informações do SINASC e são os nascimentos que ocorrem no município de Lages, mas que os pais não necessariamente residem em Lages. Conclui-se que as taxas de cesarianas estão notoriamente aumentando, destacando-se este perfil, principalmente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Palavras-chave


Cesarianas; Epidemiologia; Obstetrícia.



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC