RELATO DE CASO - Doença de Amyand

Pedro Henrique Favero Cetolin, Gelson Nei Vaz dos Santos

Resumo


Introdução: A doença de Amyand é definida como a presença de apendicite aguda interiorizada em saco herniário. Trata-se de uma doença bastante incomum com manifestação clínica variável e com diagnóstico pré-operatório raro, sendo realizado geralmente na própria intervenção cirúrgica. Resumo: Relato de caso apresentado durante o período de realização da unidade educacional eletiva do curso de medicina de paciente admitido no setor de cirurgia geral do hospital de referência da região oeste catarinense por hipótese diagnóstica de hérnia inguinal encarcerada. Após realização de ecografia observa-se hérnia com provável apêndice cecal espessado sendo quadro compatível com doença de Amyand. Objetivos: Descrever o caso do paciente destacando a raridade do achado e configurando a doença de Amyand, bem como a melhora do paciente pós-cirurgia reparadora. Caso: Paciente AE, masculino, 84 anos, agricultor encaminhado de município do extremo-oeste catarinense para o pronto-socorro do hospital referência da região, por histórico de dor em região de fossa ilíaca direita com início há um dia, com piora da dor desde então. Refere ainda febre e inapetência com início há um dia. Abaulamento na região com histórico prévio de herniorrafia há três anos. Realizada manobra de Valsalva que aumenta o abaulamento no local e a dor do paciente. Sinais de peritonite ou apendicite ausentes. Realizado ultrassom de abdome inferior que sugeriu: Presença de hérnia inguinal não redutível, com imagem no interior da hérnia que poderia sugerir apêndice cecal espessado.Histórico de hipertensão arterial sistêmica e em uso de Captopril 25mg. Realizada raquianestesia com sedação leve e cirurgia por via anterior, iniciando-se a incisão com tamanho entre cinco e sete centímetros. O sangramento é coibido por eletrocoagulação para a exérese da hérnia. Percebe-se então que a herniação era através do anel crural e não inguinal, possuindo ainda o apêndice cecal herniado e encarcerado através deste anel, sendo um quadro compatível com doença de Amyand. Realizada apendicectomia clássica e após a síntese dos tecidos, sem maiores intercorrências. Discussão: O paciente do caso apresentou sinais clínicos compatíveis com encarceramento de hérnia inguinal, porém o diagnóstico diferencial deve ser criterioso, afastando-se lipomas, aneurismas e hidrocele, por exemplo. O Colégio Brasileiro de Cirurgiões sugere exames de imagem no caso de dúvidas, como ultrassom e tomografia computadorizada. Sendo Observando as possibilidades de complicações, Petroianu afirma que uma vez diagnosticada a hérnia encarcerada, indica-se a operação a todos os pacientes, exceto aqueles em mau estado geral. Silva (2006) afirma que o período de convalescença e a recidiva da doença são muito variáveis em função de atividades físicas, recomendações médicas e tipo de trabalho. Resultados: Desta forma, o paciente evoluiu bem com alta hospitalar dois dias após a cirurgia. No caso do paciente assistido o risco de recidiva de herniação é grande já que por ser agricultor o paciente desempenha grande trabalho braçal e esforço físico. Conclusões: Conclui-se que apesar de rara e com manifestação clínica muito variável a evolução da doença foi favorável com melhora da qualidade de vida do paciente.

Palavras-chave


Hérnia;Cirurgia;Amyand;



REVISTA UNIPLAC
ISSN 2447-2107
EDITORA UNIPLAC | PORTAL DE REVISTAS UNIPLAC
e-mail: propepg@uniplaclages.edu.br | Fone: (49) 3251-1009
Copyright 2012. Editora UNIPLAC